Gleizer Nunes Velasco, de 27 anos, alegou na época que encontrou fotos de uma traição no celular da mulher. Familiares relataram agressões constantes e ciúmes.

O homem acusado de assassinar a policial militar Larissa Santos Velasco, em 2015, está sendo julgado no Fórum de Leme (SP), nesta quinta-feira (17). Na época, Gleizer Nunes Velasco, de 27 anos, justificou o crime alegando ter encontrado fotos de uma traição no celular da mulher.

Julgamento

A primeira etapa do julgamento durante a manhã ouviu o réu e outras cinco testemunhas, sendo 3 policiais e a mãe e uma prima de Larrissa. Os depoimentos foram tomados pela emoção e a revolta, com relatos de brigas constantes, agressões e sobre o comportamento de ciúme pelo Gleiser.

Após a pausa do almoço, serão reservadas cinco horas para debate entre acusação e defesa. Depois, será aberta a votação do júri e decretada a sentença. A previsão é que o julgamento termine por volta das 19h.

Gleizer Nunes Velasco é julgado por matar a esposa PM em Leme (Foto: Reprodução/EPTV)

Gleizer Nunes Velasco é julgado por matar a esposa PM em Leme (Foto: Reprodução/EPTV)

O crime e suposta traição

Larissa desapareceu no dia 10 de junho de 2015. Dois dias depois, o marido se entregou na delegacia e confessou ter matado jovem. Ele levou os policiais até o canavial, onde estava o corpo.

Contou que os dois discutiram, começaram a brigar e que ele a estrangulou. Depois cobriu o corpo com restos de cana e mato.

Casal foi visto em Leme na noite de quarta-feira (Foto: Arquivo pessoal)

Casal foi visto em Leme na noite de quarta-feira (Foto: Arquivo pessoal)

Ele alegou que tinha encontrado fotos no celular da mulher de uma suposta traição. A família da policial contou que ele era muito ciumento.

Larissa trabalhava na PM de Limeira, tinha se formado um mês antes, e morava na casa da avó no Jardim São José, em Leme, junto com o marido. Eles estavam casados há um ano.


Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here