O problema alegado pelo Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental é que a resolução não pode ser aceita por estar incompleta.

Proam pretende proibir medidas do Conselho Nacional de Meio Ambiente que visam atualizar resolução sobre políticas de qualidade do ar no Brasil.

A nova resolução do Conselho pretende estabelecer padrões de qualidade do ar baseado em estudo da OMS de 2015.

O problema alegado pelo Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental é que a resolução não pode ser aceita por estar incompleta, pois não estabelece, entre outras coisas, prazos para as medidas entrarem em vigor e, assim, não motivam políticas públicas.

Outra questão alegada pelo Proam é que falta ênfase na resolução apresenta e isso distância o Brasil dos países desenvolvidos que controlam a poluição.

Com base em dados da OMS, a poluição do ar causa a morte de mais de 50 mil pessoas por ano no Brasil.

O levantamento da Organização Mundial da Saúde analisou a poluição por material particulado: uma poeira fina que tem entre fontes a queima de biomassa, processos industriais e podem ser geradas também por automóveis.

O ar poluído pode causar câncer no pulmão, acidente vascular cerebral, isquemia cardiovascular e infecções agudas do sistema respiratório inferior.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here