Obra deve custar R$ 90 mil e estava prevista para este ano; Prefeitura não tem dinheiro

Prometida para este ano, a obra para reformar a fonte luminosa que fica atrás da Basílica de Nossa Senhora do Patrocínio, Praça Barão de Araras, sairá do papel somente em 2018. A decisão da gestão Pedrinho Eliseu (PSDB) foi confirmada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Obras, que alega falta de dinheiro.

Há quatro anos a fonte enfrenta problemas e que impede seu funcionamento. A partir de 2013 ela foi desligada para economizar água, já que a cidade enfrentava a crise hídrica . Com isso, um dos mais importantes pontos da Praça Barão deixou de funcionar diariamente.

Em 2015 a fonte chegou a ser religada, mas problemas em sua estrutura impediram a continuidade do seu funcionamento. O secretário de Obras Celso Canassa disse para em junho deste ano que a fonte necessitava de impermeabilização e o processo de licitação (tomada de preço) seria aberto em 26 de junho para contratar a empresa.

Canassa explicou ainda que a obra é necessária para a reativação da fonte, que tem infiltrações. Ou seja: quando se coloca água ela seca em virtude das infiltrações.

Mas a falta de dinheiro obriga a Prefeitura a postergar a obra, que deve ficar para o ano que vem e sem data específica para seu início. Em nota, Canassa explica que “o processo licitatório já está pronto para ser iniciado. Por uma questão contábil, a obra tem previsão de início para o ano que vem”, informa.

Conforme explicado em junho para a reportagem, a empresa vencedora tem que demolir o piso de alta resistência. Posteriormente, a administração vai decidir o que fazer com o entulho da demolição.

A empresa vencedora terá também que realizar a impermeabilização à base de resina termoplástica (Denvertec Elastic), termo técnico da marca Denver ou similar. Uma nova impermeabilização será feita depois dessa obra e com “véu de poliéster”.

Obra deve ser dividida em quatro fases

O memorial descritivo prevê um processo complexo, demorado e oneroso e a planilha da obra prevê quatro fases: iniciando com a demolição do piso de alta resistência (ao custo de cerca de R$ 12 mil); impermeabilização à base de resina termoplástica (custando mais de R$ 50 mil); impermeabilização com véu de poliéster (custando cerca de R$ 3.600) e limpeza da obra.

Após a execução dos métodos de impermeabilização a administração municipal recomenda que a empresa que executar a obra realize uma prova de carga com lâmina de água, com duração mínima de 72h (três dias) para verificação da aplicação do sistema empregado. (Tribuna do Povo)


Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.

+ CLIQUE AQUI E VEJA OUTRAS NOTÍCIAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here