46 milhões brasileiros vivem em lares sem renda do trabalho, diz Ipea

Foram 9,5 milhões a mais de pessoas vivendo em domicílios sem renda obtida por meio de atividades profissionais em relação ao pré-pandemia.

De acordo com um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), produzido a partir de dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 46 milhões de pessoas vivem em lares sem renda de trabalho no Brasil. Neste cenário, a recuperação do quadro ainda não ocorreu de maneira completa.

No segundo trimestre de 2021, a proporção de domicílios sem renda de trabalho chegou a 28,5%. Isso significa que quase 3 em 10 domicílios estão em residências sem dinheiro obtido por meio de atividades profissionais.

O sustento dessas pessoas vem de aposentadorias, pensões e programas sociais, como o auxílio emergencial. 

Antes da pandemia, no quarto trimestre de 2019, a proporção era de 23,54%, o equivalente a 36,5 milhões de pessoas. Ou seja, o número de brasileiros que entraram nesta situação foi de 9,5 milhões de pessoas.

A proporção de famílias sem renda do trabalho foi de 31,56% no segundo trimestre de 2020. Ainda, o rendimento habitual médio dos trabalhadores ocupados apresentou uma queda de 6,6% no segundo trimestre de 2021, em comparação ao mesmo período de 2020.

Já a renda efetiva subiu em 0,9% no segundo trimestre de 2021, na comparação com o mesmo período do ano passado. 

Fonte: Folha de São Paulo

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT