“A vacina é do Brasil, não é de nenhum governador”, diz Bolsonaro

O presidente se reuniu com o embaixador indiano, mas não teve ainda confirmação da vinda das vacinas.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) comentou nesta segunda-feira (18.jan), com apoiadores, a decisão da Anvisa de autorizar o uso emergencial de dois tipos de  vacinas no país, mas evitou comentar a aplicação da primeira dose de imunizante em solo brasileiro. Segundo Bolsonaro, a vacina é “do Brasil, não é de nenhum governador”. 

“A Anvisa aprovou, não tem o que discutir mais. Agora, havendo a disponibilidade no mercado, a gente vai comprar e vai atrás de contratos que fizemos também, que era para ter chegado a vacina aqui. Então está liberada a aplicação no Brasil. E a vacina é do Brasil, não é de nenhum governador não. É do Brasil”, disse, na saída do Palácio da Alvorada. 

O imunizante foi aplicado na enfermeira Mônica Calazans, neste domingo, minutos depois de a Anvisa anunciar a aprovação para uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca, em um evento promovido pelo governador de São Paulo, João Dória (PSDB). 
 
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, criticou o governador de São Paulo por usar o início da vacinação como “jogada de marketing”, e disse que a aplicação da primeira dose aconteceu em desacordo com a lei. 

clique na imagem e saiba mais

ÁGIL DPVAT

Índia

Também nesta segunda-feira (18.jan), o presidente Jair Bolsonaro anunciou que se reuniu com o embaixador da Índia no Brasil, Suresh K. Reddy. O governo federal tenta garantir a entrega de 2 milhões de doses da vacina da Astrazeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, negociadas com uma fabricante indiana, mas ainda não tem previsão de receber os imunizantes. O governo chegou a anunciar um voo que traria as vacinas do país asiático, mas o governo da Índia vetou a exportação neste momento.