Ação conjunta da PM e equipe de ROMU termina com traficante preso em Pirassununga, SP

Já sabiam de quem se tratava pois A.T., de 21 anos já era conhecido nos meios policiais.

Na noite de quarta-feira (9) os policiais militares cabo Francisco e soldado Frederico, juntamente com os GCMs Edmilton, César, Bercke e Carlos – equipe de ROMU (Ronda Ostensiva Municipal), conduzindo detido o autuado a quem deram voz de prisao em flagrante delito pelo cometimento do crime de tráfico de drogas.

De acordo com o boletim de ocorrência, eles narraram que receberam denúncia de que o autuado estaria realizando o tráfico de drogas na Rua Maceió e imediações, tendo como ponto de referência a escola Próspero Grisi. Já sabiam de quem se tratava pois A.T., de 21 anos já era conhecido nos meios policiais.

clique na imagem e saiba mais

Enquanto a viatura da equipe da PM adentrou pela Rua Cuiabá, a viatura da equipe da ROMU adentrou pela Rua Maceió, o indivíduo estava nesse cruzamento e ele, ao ver a viatura da PM, jogou uma sacola no alambrado da caixa dágua e saiu de bicicleta, tomando rumo da Rua Maceio, vindo de encontro com a equipe da ROMU. O mesmo foi detido e com ele após revista pessoal nada foi localizado, somente o aparelho celular.

O PM Francisco ao vasculhar o local, localizou o que o suspeito havia dispensando, tratando ser uma sacola plástica na cor branca e em seu interior havia 03 kits, sendo que cada kit tinha 20 ependorfes, 20 ependorfes e 10 ependorfes contendo cocaína, no total de 50 ependorfes e a quantia de R$10,00. O indiciado questionado, negou ter dispensado o entorpecente.

Após exame de corpo de delito cautelar, o autuado foi levado ao Plantão Policial e, cientificada dos fatos, a Autoridade Policial ratificou a voz de prisão por entender, estarem presentes nesta fase de cognição sumaríssima, indícios suficientes de autoria e materialidade delitivas, especialmente pela prova testemunhal e pelo auto de constatação preliminar do entorpecente, bem como presente o requisito temporal do estado flagrancial previsto no artigo 303 do CPP, determinando a lavratura do auto de prisão.

Ante à inafiançabilidade do delito, o indiciado foi recolhido à Cadeia Pública local, onde permanecerá à disposição da Justiça. A irmã do indiciado, compareceu no Plantão e foi comunicada de sua prisão. O indiciado alegou não possuir advogado. Nada mais.