Acordo Ambiental São Paulo conta com adesão de mais de 100 empresas

Iniciativa é voltada para a redução da emissão de gases de efeito estufa e o incentivo às ações de sustentabilidade.

Durante reunião do Comitê de Gestão Ambiental, com a participação do Governador João Doria, realizada em 12 de maio por videoconferência, a Diretora-Presidente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e membro do conselho, Patrícia Iglecias, anunciou a adesão de mais de 100 empresas paulistas ao Acordo Ambiental São Paulo, iniciativa para redução de emissão de gases de efeito estufa e incentivo às ações de sustentabilidade.

“A Cetesb já possui mais de cem aderentes ao acordo, que é voluntário, sem novas implicações legais, baseado em práticas inovadoras e voltado para a responsabilidade socioambiental”, destacou a dirigente.

A adesão é de caráter voluntário e será renovada automaticamente até 2030, pretendendo induzir as empresas aderentes reduzir a emissão de gases de efeito estufa (GEEs) nos próximos 10 anos. O acordo prevê o reconhecimento dos signatários como membros da comunidade de líderes em mudanças climáticas, além do apoio técnico governamental.  Essa ação incentivará a implementação de novas tecnologias e soluções inovadoras, realçando o protagonismo do estado na agenda climática.

clique na imagem e saiba mais

Programa Nascentes

A reunião contou com a presença do Secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, e o Subsecretário, Eduardo Trani. Eles apresentaram os resultados do programa Nascentes, que promoveu a restauração de 20 mil hectares de matas ciliares no território paulista e do qual a Cetesb teve ampla participação, criando, em 2015, uma força-tarefa para fazer o levantamento das pendências de restauração ecológica no âmbito do licenciamento ambiental.

“Estamos nos reunindo regularmente com esses especialistas de alto nível para acompanhamento e sugestões de medidas ambientais no estado”, afirmou o Governador João Doria. O Comitê é formado por 15 pessoas da sociedade civil, entre as quais representantes da ONG SOS Mata Atlântica, da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O objetivo é orientar ações do Governo na área ambiental para que os projetos sejam os mais adequados e modernos para o setor.