Acusado de matar jovem e enrolar corpo em tapete é condenado a 16 anos de prisão

Júri popular do calheiro Paulo Adriano Ito durou mais de sete horas e foi realizado no Fórum de São José do Rio Preto (SP). Ministério Público vai recorrer da decisão e tentar uma pena maior.

O calheiro Paulo Adriano Ito, acusado de matar com requinte de crueldade a jovem Jully Anne Esteban Martins, de 19 anos, foi condenado, na noite desta terça-feira (10), a 16 anos de prisão por homicídio quadruplamente qualificado.

De acordo com o promotor de Justiça José Márcio Rossetto Leite, o pedido do Ministério Público foi aceito na íntegra pelos jurados. “No entanto, a pena foi aplicada pelo juiz. Nós vamos recorrer para tentar acima de 20 anos”, afirma.

O júri popular de Paulo Adriano Ito foi realizado no Fórum de Rio Preto. Ele começou às 13h30 e terminou somente depois das 20h30. Quatro testemunhas participaram do julgamento.

clique na imagem e saiba mais
Corpo de jovem foi encontrado dentro de casa onde suspeito morava de aluguel em Rio Preto — Foto: Reprodução/TV TEM

Crime

O crime foi registrado em novembro de 2018, em São José do Rio Preto (SP). A vítima foi encontrada enrolada em um tapete dentro de uma casa. Ela estava com pés e mãos amarrados e uma camiseta na boca.

Paulo Adriano Ito se apresentou à delegacia no dia 3 de dezembro de 2018. Ele confessou ter assassinado a jovem por ciúme. Um mandado de prisão temporária já tinha sido expedido pela Justiça.

De acordo com a Polícia Civil, Jully Anne trabalhava como garota de programa, enquanto Paulo era um cliente e estava apaixonado pela jovem. O corpo da vítima foi encontrado na casa onde o acusado morava de aluguel, após vizinhos reclamaram de um cheiro forte vindo do imóvel.

Como não havia ninguém no local, os policiais chamaram um chaveiro, abriram a casa e encontraram o corpo de Jully Anne enrolado no tapete. A vítima estava sem documentos e foi reconhecida por uma amiga, que compareceu ao Instituto Médico Legal (IML) de Rio Preto. Paulo ficou foragido por mais de quatro dias até se apresentar na delegacia.

Depois de ser preso, o acusado foi encaminhado para um presídio da região noroeste paulista. O Ministério Público denunciou Paulo por homicídio quadruplamente qualificado.

Jully Anne tinha 19 anos e foi morta com requintes de crueldade em Rio Preto — Foto: Reprodução/TV TEM

Ciúme

Na época em que o crime foi registrado, uma amiga da vítima afirmou que Jully Anne se mudaria para São Paulo em alguns dias, o que pode ter provocado ciúme em Paulo.

“Ela ia embora para a casa de familiares e contou para o cliente. Ele não aceitava e dizia que ela não ficaria com mais ninguém além dele”, disse a estudante Brenda Gabriela de Oliveira.

Ela também contou que as duas estavam juntas poucas horas antes de a jovem ser vista pela última vez. Depois disso, a vítima foi até a casa do suspeito para um encontro e pegar um celular que havia sido comprado por Paulo.

Contudo, antes de sair da residência, Jully Anne deixou um recado para avó pedindo que ligasse às 21h no celular dela, para usar como pretexto e conseguir ir embora. “Apesar das escolhas dela, ela era uma garota doce e meiga, que só queria atenção”, afirmou a estudante na época em que o homicídio foi registrado.