ANTT publica nova tabela de frete com reajustes que variam de 4,54% a 5,9%

Pela legislação, sempre que a oscilação no preço do óleo diesel for superior a 10%, o órgão precisa publicar nova norma com pisos mínimos, considerando essa variação do combustível.

Após sucessivos aumentos no preço dos combustíveis, a tabela de valores mínimos de frete usada pelos caminhoneiros foi alterada com reajustes médios que variam de 4,54% a 5,9%, a depender do tipo de veículo e da classe da carga. Os novos patamares foram decididos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (21).

Pela legislação, sempre que a oscilação no preço do óleo diesel no mercado nacional for superior a 10%, o órgão precisa publicar nova norma com pisos mínimos, considerando essa variação do combustível. A edição da tabela reajustada foi antecipada pelo Broadcast Agro.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro promete ajuda a 750 mil caminhoneiros

Segundo a ANTT, o menor reajuste médio foi relativo à tabela de transporte rodoviário de carga lotação, de 4,54%. Em seguida, estão as operações em que haja contratação apenas do veículo automotor de cargas, com alteração média de 5,1%.

A terceira tabela, de transporte rodoviário de carga lotação de alto desempenho, sofreu reajuste médio de 5,36%, e a de operações em que haja contratação apenas do veículo automotor de cargas de alto desempenho foi alterada, em média, em 5,9%.

A tabela de fretes foi criada em 2018 pelo governo Michel Temer, após a greve dos caminhoneiros que bloqueou estradas e comprometeu o abastecimento de combustível, de medicamentos e de alimentos em todo o Brasil. A criação era uma das reivindicações da categoria, mas acabou questionada no Supremo Tribunal Federal (STF). Até hoje, no entanto, a Corte não julgou o caso.

LEIA TAMBÉM: Dívidas já criam parcelas de conta de luz em 24 vezes

Os caminhoneiros, por sua vez, reclamam de ausência no cumprimento da tabela e, com frequência, ameaçam novas paralisações em razão dessa e outras questões, como ocorreu no último sábado (16). Eles também pedem que o STF analise a constitucionalidade ou não do piso.

Dentro do governo, técnicos apontam que o cumprimento da tabela é um desafio no mercado, já que há uma alta oferta de caminhões nas estradas, o que forçaria uma autorregulação dos preços de frete.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP