Após confusão em bar, sócios pedem desculpas às autoridades de fiscalização no interior de SP

Comunicado também diz que proprietários vão ampliar esforços para evitar ‘qualquer comportamento que desrespeite as medidas sanitárias’. Fiscais da prefeitura foram ofendidos por clientes durante vistoria na sexta-feira (4).

Sócios do Boteco Brasukis pediram desculpas às autoridades de fiscalização de Ribeirão Preto (SP) – prefeitura, fiscais e Guarda Civil Metropolitana – após agentes da administração pública terem sido ofendidos por clientes durante vistoria na noite de sexta-feira (4).

Os fiscais foram xingados e tiveram o carro oficial cercado do lado de fora do estabelecimento. A ação foi gravada por uma agente da fiscalização e transmitida ao vivo nas redes sociais de um dos clientes envolvidos na confusão.

clique na imagem e saiba mais

Em comunicado, os proprietários do bar lamentaram o ocorrido e disseram que ficaram impossibilitados de tomar medidas para sanar a confusão porque ‘o órgão de autoridade pública já estava ciente e envolvido no caso’. Os donos também prometeram ampliar os esforços para evitar comportamentos que desrespeitem os protocolos de saúde diante da pandemia de Covid-19.

“Os sócios pedem desculpas a toda a sociedade e aos demais poderes envolvidos e se comprometem a ampliar esforços no sentido de evitar, não só aglomerações, como qualquer comportamento que desrespeite as medidas sanitárias exigidas na contenção da propagação do novo coronavírus, além de estarmos atentos ao cumprimento das normas do município”, diz a nota.

Bar onde fiscais da Prefeitura de Ribeirão Preto (SP) foram ofendidos por clientes — Foto: Reprodução / EPTV

Vistoria

No esclarecimento, o bar informa que durante a pandemia contratou seguranças para controlar todas as exigências do protocolo sanitário e que o distanciamento das mesas está sendo cumprido no local, além do respeito à capacidade de 40% autorizada pela prefeitura e do fechamento às 22h, horário limite permitido no decreto municipal.

No entanto, a Fiscalização Geral da prefeitura alega que o bar, na sexta-feira, estava com mais clientes do que o previsto na regulamentação, tocava música ao vivo e colocou mesas e cadeiras na calçada, contrariando as normas municipais. A vistoria ocorreu por volta das 20h.

Por conta disso, o bar vai ser autuado pelas infrações cometidas e por impedir a ação da fiscalização, segundo a administração.

O caso foi para no Ministério Público de São Paulo e o promotor Wanderley Trindade disse que os clientes que ofenderam os fiscais vão responder na Justiça por crime contra a saúde pública e desacato à autoridade, e o dono do estabelecimento, que pode ser interditado a partir desta semana, responderá por dano moral coletivo.