Após temporal, relatório aponta ‘grave risco à segurança’ na Santa Casa de Pirassununga, SP

Hospital teve vários estragos e está atendendo apenas urgência e emergência. Dois pacientes que estavam internados em UTI foram transferidos para outros hospitais nesta terça-feira (12).

Um relatório feito para avaliar os estragos do temporal na Santa Casa de Pirassununga (SP) aponta que os danos deixaram o hospital “em situação de grave e iminente risco à segurança, tanto aos pacientes quanto aos trabalhadores da instituição e os prestadores de serviços médicos”.

O atendimento está sendo feito de forma parcial, apenas para casos de urgência e emergência (veja mais abaixo).

De acordo com o provedor em exercício, Benedito Geraldo Lébeis Júnior, dois pacientes que estavam internados em UTI foram transferidos para outros hospitais, nesta terça-feira (12) e se houver novos casos graves, eles deverão ser encaminhados para hospitais de Leme, Porto Ferreira e Araras.

Levantamento de estragos

De acordo com o levantamento feito por especialistas em segurança do trabalho, o temporal causou sérios danos de grande monta em materiais e estruturais nas instalações do hospital que necessitam de reparos imediatos.

Segundo o provedor, a Santa Casa já providenciou telhas para a recuperação do telhado e deve buscar recursos para os outros reparos junto ao governo do estado.

Relatório aponta danos causados por vendaval à estrutura da Santa Casa de Pirassununga — Foto: Santa Casa de Pirassununga

Estragos

As rajadas de vento descobriram o telhado em áreas críticas da Santa Casa, como o centro cirúrgico e quartos e arrancou calhas. Também foram registrados vidros quebrados e alagamento das instalações, com perdas de materiais, documentos e medicamentos.

Devido aos danos, o relatório ressalta que “em caso de chuva, por menor que seja a intensidade, a laje irá receber e acumular as águas pluviais podendo abalar as estruturas das lajes e das paredes, assim como, o excesso pode escoar pelos conduítes dos quadros de força e tomadas de energia, com possibilidade de provocar curto-circuito e causar incêndio”.

O documento também alerta que como diversos setores possuem forro de PVC ou madeira, o excesso de água e o telhado descoberto, mais chuvas, podem comprometer a laje.

Atendimento está prejudicado

Após a chuva, o atendimento da Santa Casa chegou a ser suspenso temporariamente e foi retomado apenas com casos de urgência e emergência.

Apenas um dos oito centro cirúrgicos está funcionando e a obstetrícia tem apenas um quarto para emergências. Além disso, a ressonância está parada e o laboratório funciona parcialmente.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT