Após vazamento de vídeo íntimo, bispo renuncia ao cargo no interior de SP

Pedido de Tomé Ferreira da Silva, de São José do Rio Preto (SP), foi aceito pelo Papa Francisco e divulgado nesta quarta-feira (18) pela CNBB. Em 2018, ele foi investigado pelo Vaticano em denúncias de abusos sexuais e deixou cargo ligado à CNBB.

Por G1 Rio Preto e Araçatuba — O bispo Tomé Ferreira da Silva renunciou ao cargo na Diocese de São José do Rio Preto (SP). O pedido foi aceito pelo Papa Francisco e divulgado nesta quarta-feira (18) pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A renúncia do bispo ocorreu após um vídeo íntimo dele vazar nas redes sociais. As imagens, que mostram o religioso seminu e acariciando o órgão sexual em uma videochamada, viralizaram na última sexta-feira (13).

Desde então, o bispo não se pronunciou sobre o caso. Em 2018, ele foi investigado por suposta omissão em casos de abuso sexuais. Procurada, a Diocese informou que não vai se pronunciar sobre o caso. A reportagem também tentou entrar em contato com Dom Tomé, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.

De acordo com um comunicado publicado no site da CNBB, com a saída de Tomé Ferreira, o arcebispo de Ribeirão Preto (SP), Moacir Silva, foi nomeado para o cargo. “A Nunciatura Apostólica informa que o Santo Padre aceitou hoje o pedido de renúncia ao governo pastoral da Diocese de São José do Rio Preto, apresentada por S. Excia. D. Tomé Ferreira da Silva, nomeando, ao mesmo tempo, como Administrador Apostólico, o Exmo. Sr. D. Moacir Silva, arcebispo de Ribeirão Preto”, diz o comunicado divulgado pela CNBB.

Comunicado da renúncia de Dom Tomé à Diocese de Rio Preto (SP) foi divulgado no site da CNBB — Foto: Reprodução/Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Renúncia à CNBB

Em setembro 2018, dom Tomé renunciou ao cargo vinculado à CNBB de coordenador regional da Arquidiocese de Ribeirão Preto. A renúncia ocorreu um mês após a TV TEM revelar que o Vaticano investigava o bispo por suposta omissão em casos de abuso sexuais praticados por padres da diocese. O próprio Dom Tomé teria trocado mensagens de cunho sexual com um jovem na época.

Tomé entregou o cargo de representante da sub-região da arquidiocese de Ribeirão Preto durante reunião com os bispos das dioceses de Barretos, Catanduva, Jales e Votuporanga, que estavam subordinados ao bispo de Rio Preto.

Ele foi eleito coordenador regional em 2015 para um mandato de quatro anos. Na época, o bispo de Barretos, dom Milton Kenan Júnior, assumiu o comando da regional no lugar de Tomé.

Bispo Tomé Ferreira da Silva pediu renuncia à Diocese de Rio Preto — Foto: Reprodução/TV TEM

Investigado pelo Vaticano

Em 2018, a Igreja Católica enviou um representante a Rio Preto para uma investigação sigilosa de denúncias de abusos sexuais que teriam ocorrido na diocese, administrada pelo bispo Tomé Ferreira da Silva.

A apuração do Vaticano envolveu denúncias de uma suposta omissão de dom Tomé em relação às denúncias de abuso sexual praticado por padres. O representante indicado pelo Vaticano foi dom José Negri, bispo da Diocese Santo Amaro e amigo pessoal do Papa Francisco.

Dom José investigou denúncias na Diocese de Rio Preto (SP) — Foto: Divulgação
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT