Ataques de tubarões deixam comerciantes e setor hoteleiro em alerta para ‘fuga’ de turistas em Ubatuba, SP

Duas pessoas ficaram feridas no mar do litoral norte de SP nos feriados da Proclamação da República e de Finados; além delas, uma criança também se machucou no litoral sul.

Dois ataques de tubarões em Ubatuba preocupam os turistas do litoral norte de São Paulo. Uma senhora de 79 anos teve um ferimento de 25 centímetros na perna na Praia Grande no feriado da Proclamação da República.

O professor Otto Bismarque, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), analisou o caso e confirmou que ela deve ter sido vítima de um tubarão tigre ou cabeça chata de porte médio.

Este seria o segundo registro em novembro de 2021. No feriado de finados, um turista francês foi atingido na perna, na praia do Lamberto, em um primeiro caso após 30 anos. As vítimas foram atendidas e passam bem. O curador do Museu Tubarões, de Fernando de Noronha, Leonardo Veras, analisa os ataques na costa brasileira.

“Acho muito natural que, episodicamente, haja um acidente envolvendo tubarão assim como outros peixes. Muitas vezes a pessoa é ferida no mar por outras espécies de peixe, como barracuda, peixe espada, e julga que é um tubarão. No caso em particular do litoral paulista, eu acho que isso tem que ser encarado com mais naturalidade. Fato concreto é que os humanos estão cada vez mais presentes no mar e estão interagindo com a vida selvagem”, comentou.

Ainda no último feriado, em Ilha Comprida, Litoral Sul de São Paulo, um menino de 11 anos foi ferido. Inicialmente foi atribuído a um tubarão, mas a prefeitura informou que um cardume de cação foi que causou um pequeno ferimento na criança, na praia do Boqueirão. O pai do garoto, Celso Marques, nunca tinha visto nada igual.

“Faz 30 anos que eu conheço Ilha Comprida e é a primeira vez que aconteceu esse fato. Tá tendo muitas distorções. O fato é o seguinte, ele é criança de 11 anos e ele viu um peixe azul com uma calda atrás, é o que ele identifica”, disse.

Após a repercussão dos casos, os comerciantes, setor de hotelaria e as prefeituras temem que os turistas deixem de procurar Ubatuba, Ilha Comprida ou o litoral paulista após um longo período de inatividade pela pandemia do novo coronavírus.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP