“Auxílio-academia”? TJ-RJ pagava para juízes fazerem ginástica

Anúncio
Clique na imagem. Link direto para Whatsapp


TJ-RJ assinou um convênio de mais de R$ 5 milhões para juízes e parentes fazerem academia.

No Brasil, um quarto da população ganha menos de R$ 387 reais por mês. O país é um dos mais desiguais do mundo. E parece que essa desigualdade está longe de terminar.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) assinou um convênio de mais de R$ 5 milhões com uma academia de ginástica que funciona dentro do prédio do TJ, no Centro do Rio, e que está à disposição de magistrados e seus parentes.

Segundo O Globo, na academia os juízes e seus parentes poderiam praticar alongamento, boxe tailandês, boxe inglês, defesa pessoal, ginástica funcional, jump, ginástica localizada, musculação, personal training, step e yoga.

Os gastos com a academia foram contestados pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. E na última terça-feira (26/06), por unanimidade, o Conselho Nacional de Justiça considerou o convênio ilegal.

O CNJ determinou ao tribunal a abertura de um procedimento com o objetivo de ressarcir os cofres públicos estaduais com o dinheiro gasto na academia. O procedimento também poderá resultar na punição disciplinar de gestores responsáveis pelo convênio.

Recentemente, outro gasto com os magistrados foi alvo de polêmica: o auxílio-moradia no valor de R$ 4.377,73. O salário inicial de um juiz no Brasil é de R$ 27.500,17. Mesmo com altos salários e muitas vezes com casa própria, mais de 17 mil juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores recebem o auxílio-moradia no Brasil. O custo deste auxílio para os cofres públicos este ano pode chegar a R$ 900 milhões.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.