Banco é condenado a indenizar idosa em R$ 15 mil por empréstimos contratados com assinaturas falsas

PUBLICIDADE

Idosa de 77 anos, recebe aposentadoria por invalidez na agência bancária. Laudo pericial apontou que as assinaturas nos contratos de consignados foi forjado.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve decisão da segunda Vara Cível de Bauru (SP) que condenou um banco privado a indenizar uma idosa por danos morais e a restituir a ela os valores descontados em empréstimos consignados efetuados de forma fraudulenta.

A decisão da 22ª Câmara de Direito Privado foi publicada nesta segunda-feira (18) e divulgada pela assessoria de imprensa do Tribunal nesta terça-feira (19). Ainda cabe recurso.

A indenização foi fixada em R$ 15 mil. Também foi estabelecida multa diária no valor de R$ 1 mil caso a devolução não seja efetuada no prazo máximo de cinco dias.

PUBLICIDADE

Consta no processo que estelionatários contrataram cinco empréstimos consignados junto ao banco em que a idosa de 77 anos recebe a aposentadoria por invalidez. Laudo pericial comprovou que as assinaturas nos contratos foram forjadas e que a idosa foi vítima de um golpe.

O desembargador Roberto MacCracken, relator do recurso, destacou que houve “incontestável falha na prestação do serviço bancário” e que restou comprovado que o banco não formalizou os contratos, não sendo possível considerá-los como válidos.

“O Banco apelante, não realizando os meios necessários para impedir a formalização de contrato por terceiros, incorreu em falha no serviço a que se dispôs a exercer”, diz a decisão.

O magistrado classificou como “arbitrária” a postura do banco que, além de não impedir o ato criminoso por meio de verificação das assinaturas, forçou a idosa a buscar seus direitos na Justiça.

PUBLICIDADE
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP