Bebê que morreu por sarampo tinha tomado as duas doses de vacina, diz Saúde de Limeira, SP

Secretaria municipal classificou caso como ‘atípico’; menina de 1 ano e 10 meses morreu no dia 26 de agosto; morte é a primeira registrada no interior de SP pela doença.

A Secretaria de Saúde de Limeira (SP) afirmou que a menina de 1 ano e 10 meses que morreu de sarampo tinha tomado as duas doses da vacina tríplice viral, que protege contra a doença. O caso foi confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde nesta quarta-feira (6) e foi a primeira morte por sarampo registrada no interior de São Paulo.

De acordo com a Saúde municipal, a menina morreu no dia 26 de agosto. Ela foi internada em um hospital do município com febre, tosse e chiado no peito. “No mesmo dia, houve agravamento do quadro de saúde, ocasionando o óbito”, diz a nota.

O atestado de óbito apontou a causa da morte por broncopneumonia. Ainda de acordo com a secretaria, o Serviço de Verificação de Óbito da pasta coletou amostras para exames de várias doenças, incluindo o sarampo, e no dia 30 do mesmo mês, o laudo do Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo (SP), confirmou a morte em decorrência de sarampo.

A Secretaria de Saúde classificou o caso como atípico, já que a menina já tinha tomado as duas doses da vacina, de acordo com as prerrogativas do Ministério da Saúde para prevenção da doença, mas a criança teve uma rápida evolução para óbito, de acordo com a pasta.

“Na época, a pasta solicitou uma nova análise, pois a criança já havia tomado as duas doses da Tríplice Viral, que protege contra o sarampo. Ontem (6) no final da tarde, o Adolfo Lutz emitiu um novo laudo, confirmando o resultado anterior”, diz a Saúde municipal.

Na explicação da Vigilância em Saúde do município, a vacina contra o sarampo tem 95% de eficácia quando tomada na idade certa, mas existe um percentual pequeno da população – os 5% restantes – que não desenvolvem imunidade mesmo após a vacinação.

“Por esse motivo, é importante manter alto o índice de cobertura vacinal, como forma de impedir a circulação do vírus, e assim, proteger essas pessoas com baixa imunidade”, frisou Alexandre Ferrari, diretor na Vigilância, no texto da Saúde municipal.

Limeira soma maior número de casos da região

Segundo a prefeitura da cidade, atualmente Limeira tem 32 casos confirmados de sarampo – entre eles, um é importado e o outro é a morte da menina confirmada nesta quarta-feira (6). Outros 38 aguardam resultado do exame, e já foram descartados 26 casos suspeitos da doença desde o início do ano.

Limeira é a cidade com o maior número de confirmações na região de Piracicaba (SP), que ao todo, tem 45 casos da doença em quatro cidades. Veja como está na região:

  • Limeira: 31 casos
  • Piracicaba: 5 casos
  • Santa Bárbara d’Oeste: 5 casos
  • Cosmópolis: 3 casos

 

Em todo o Estado de São Paulo, segundo balanço divulgado nesta quarta, são 8.516 confirmações laboratoriais. Após orientação do Ministério da Saúde, são também confirmados casos com base na avaliação clínica (sintomas e avaliação médica), que somam outros 2.579 casos. No total, são 11.095 casos de sarampo confirmados neste ano no estado.

Entre os casos, 14 evoluíram para óbito e a maioria foi confirmada na Grande São Paulo e litoral do estado:

  • São Paulo – 5 mortes
  • Osasco – 2 mortes
  • Francisco Morato – 2 mortes
  • Itanhaém – 1 morte
  • Itapevi – 1 morte
  • Franco da Rocha – 1 morte
  • Santo André – 1 morte
  • Limeira – 1 morte

Campanha vacinação

Em Limeira, a prefeitura informou que o município “vem atuando sistematicamente para facilitar o acesso da população à vacina”, fazendo plantões de vacinação aos sábados, campanhas e mutirões, como o Dia D, realizado no dia 19 de outubro.

A Saúde estadual informou que o estado segue vacinando contra sarampo bebês com idade entre 6 meses a menores de 12 meses, conforme recomendado pelo Ministério da Saúde. “A faixa etária é considerada mais vulnerável a casos graves e óbitos, e representa cerca de 15,3% do total de casos registrados em SP”, diz a nota.

A campanha de vacinação terminou no dia 25 e imunizou cerca de 400 mil crianças, segundo a Saúde. A tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. O calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da vacina aos 12 meses e aos 15 meses para reforço da imunização com a tetraviral, que protege também contra varicela.

Com o crescimento dos casos de sarampo no país, este ano os bebês com menos de 12 meses também devem receber a chamada “dose zero”, que não é contabilizada no calendário. A Saúde estadual informou ainda que, entre 18 e 30 de novembro, acontecerá a segunda fase da campanha de vacinação, focada em jovens de 20 a 29 anos.