Brasil é pioneiro em política pública de profilaxia de HIV

Novo método de tratamento para evitar infecções começou a ser implementado no Sistema Único de Saúde (SUS)

Um novo método para reduzir o risco de transmissão do vírus HIV começou a ser implantado no País nesta semana. O projeto de Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (ImPrEP) foi desenvolvido pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

De início, 7,5 mil pessoas do Brasil, México e Peru não infectadas serão atendidas. A medida torna o Brasil pioneiro na implementação de profilaxia enquanto política pública.

clique na imagem e saiba mais

Os remédios antirretrovirais serão administrados todos os dias para evitar a contaminação. Segundo a diretora do INI/Fiocruz, Valdiléia Veloso, o público-alvo da medida são homens que fazem sexo com homens e mulheres transsexuais e travestis. Nos locais de testagem para o HIV, a população alvo também vai ser informada sobre a ImPreP e convidada, se houver interesse, a participar.

O Ministério da Saúde vai doar os antirretrovirais para os estados do Amazonas, de Pernambuco, da Bahia, de São Paulo, do Rio de Janeiro, Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. A partir de setembro, 3 mil brasileiros devem receber as doses.

A ImPreP pretende reduzir as infecções no País, que chegam a 44 mil por ano. Em 2015, 830 mil pessoas viviam com HIV no Brasil, de acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids).

A duração do ImPrEP será de três anos, com a participação de instituições de ensino e pesquisa dos três países e financiamento de US$ 20 milhões da Unitaid, uma iniciativa global sem fins lucrativos que atua no incentivo de novos métodos para prevenção, diagnóstico e tratamento de HIV/Aids, tuberculose e malária.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil