Brasil tem aumento de 70% nos assassinatos de trans e travestis

A expectativa de vida de transexuais e travestis no Brasil é de apenas 35 anos, menos de metade da média nacional. Entre 1 de janeiro e 31 de agosto, 129 mulheres trans e travestis foram assassinadas no Brasil.

A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA) divulgou um dado assustador recentemente. Entre janeiro e agosto deste ano, o Brasil matou mais pessoas trans do que em 2019 inteiro. Houve crescimento de 70% no número de assassinatos no período, em relação a 2019.

Entre 1 de janeiro e 31 de agosto, 129 mulheres trans e travestis foram assassinadas no Brasil. Em todo o ano de 2019, ocorreram 124 assassinatos. No período de janeiro a agosto de 2019, foram 76 assassinatos. Ainda no recorte deste período do ano, em 2018 foram 113 assassinatos e, em 2017, 118.

clique na imagem e saiba mais

Os cinco estados com mais casos de assassinatos registrados agora em 2020 foram São Paulo (19), Bahia (16), Minas Gerais (16), Ceará (15) e Rio de Janeiro (7). Infelizmente, o preconceito e o ódio gratuito ainda são muito fortes no Brasil. O problema é tão grave em relação à população LGBT+ que  a expectativa de vida de transexuais e travestis no Brasil é bem menor que a média nacional.

A expectativa de vida de transexuais e travestis no Brasil é de apenas 35 anos, menos de metade da média nacional (75 anos). Estima-se que 13 anos de idade é a média para que essa população seja expulsa de casa pelos pais. Apenas 0,02% está na universidade, 72% não possuem o ensino médio e 56% não possuem nem mesmo o ensino fundamental.