Caderno com táticas de jogo de combate é apreendido no carro dos assassinos de Suzano, SP

Assassinos planejaram ataque a escola de Suzano por mais de um ano
Anúncio
Clique na imagem. Link direto para Whatsapp

A polícia diz que os dois tinham um “pacto” segundo o qual cometeriam o crime e depois se suicidariam.

A polícia encontrou dois cadernos no carro usado pelos assassinos da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. Um dos cadernos trazia uma série de desenhos de armas, nomes de jogos de internet e táticas de jogos de combate que o participante deve cumprir.

Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, os assassinos de Suzano — Foto: Reprodução

Entre as táticas estava: “depois disso pode mandar seu exército atacar, é exército meio fraco, mas se fizer rápido o inimigo não vai ter tempo de fazer muitas defesas.

Outro caderno, que seria de Guilherme Tauci Monteiro, tinha uma lista de regras de conduta da escola como “proibido o uso de celular em sala de aula, proibido fumar e colaborar com a organização e limpeza dos ambientes”.

Caderno encontrado em carro de assassinos de Suzano tem estratégias de jogo — Foto: GloboNews/Reprodução

Os assassinos – Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 – eram ex-alunos do colégio. A investigação aponta que, depois do ataque, ainda dentro da escola, Guilherme matou Henrique e, em seguida, se suicidou. A polícia diz que os dois tinham um “pacto” segundo o qual cometeriam o crime e depois se suicidariam.

Caderno de assassino tinha regras de normas da escola de Suzano — Foto: Reprodução/GloboNews

Cinco dos mortos são alunos do ensino médio, com idade entre 15 e 17 anos, de acordo com o secretário de Segurança Pública de SP. Entre as vítimas, há ainda duas funcionárias do colégio, uma delas a coordenadora. O dono de uma locadora de veículos próximo ao local, que era tio de um dos assassinos, foi morto pouco antes do ataque. Também há registro de 11 feridos.

Caderno tem desenho de armas e de jogos de combate na internet — Foto: Reprodução/GloboNews