Caminhão que explodiu em posto de combustível transportava ácido fórmico e água oxigenada

Polícia ouviu representate da empresa responsável pelo veículo nesta sexta-feira (2). Transporte das duas substâncias juntas pode potencializar incêndios. Laudo deve sair em 30 dias.

O caminhão que explodiu na noite em quarta-feira (30), em um posto de combustíveis de Rio Claro (SP) transportava ácido fórmico, que é inflamável, e peróxido de hidrogênio (água oxigenada).

As informações foram coletadas pela polícia em depoimentos de testemunhas e representante da empresa dona do veículo, nesta sexta-feira (2). Um laudo com as causas do acidente deve sair em 30 dias.

O motorista de 61 anos está internado em Limeira (SP), com queimaduras no rosto e no corpo e ainda não foi ouvido formalmente pela polícia. O acidente matou um homem de 51 anos e deixou 23 feridos. A força da explosão destruiu o posto de combustíveis e danificou imóveis próximos e queimou 10 veículos.

Transporte regular

De acordo com o delegado seccional de Rio Claro, Paulo Hadich, o transporte das substâncias que estavam no caminhão por via terrestre é permitido no Brasil, porém, pessoas da área química ouvidas pela polícia afirmaram que não é recomendado juntar os dois componentes. “Disseram que o transporte das duas cargas juntas em caso de explosão, potencializa muito o seu resultado. Talvez seja algo para rever ao final desse processo”, afirmou o delegado.

O pesquisador da Unesp e químico Adilson Roberto Gonçalves confirma a periculosidade de colocar os dois produtos juntos. “Os dois produtos são bastante estáveis. Um dos problemas é a autodecomposição do peróxido de hidrogênio que produz gases, principalmente o oxigênio, que se espandem e podem levar a uma explosão. Se os dois entrarem em contato aí temos a formação de uma explosão, especialmente se ela já tiver sido iniciada por uma fonte de calor”, explicou.

Ainda segundo o delegado, o motorista estava com a CNH vencida, mas dentro do prazo de renovação e ele tinha autorização para transportar a carga. Até o momento, 16 testemunhas prestaram depoimento, sendo quatro na quinta-feira e 12 nesta sexta.

A Conecta Transportes de Químicos e Equipamentos Industriais, responsável pelo transporte da carga, que é de Sertãozinho, informou em nota que ”todos os esforços para obter maiores informações estão sendo realizados pela empresa” (veja abaixo o texto na íntegra).

O caminhão havia saído de uma empresa de soluções químicas em Charqueada (SP) com destino a uma indústria em Mogi Guaçu (SP) e fez um desvio para parar no posto de Rio Claro. O que causou o incêndio no caminhão e motivo que levou o motorista a fazer o desvio e ainda não foram apurados. Mais testemunhas devem prestar depoimento na próxima semana.

A empresa responsável pelo caminhão divulgou a seguinte nota:

“A empresa Conecta Transportes de Químicos Equipamentoss Industriais LTDA. recebeu a informação de que um de seus veículos fora atingido na explosão que ocorreu no posto na Rodovia Washington Luís, na quarta-feira (30/6).

Em decorrência disso, todos os esforços para obter maiores informações estão sendo realizados pela empresa que possui um plano de contenção de acidentes desenvolvido pela Ambipar, o qual foi acionado imediatamente.

Em que pese o rápido acionamento da empresa Ambipar, o local fora isolado pelas autoridades que realizaram o atendimento, pois não se sabe a origem da explosão.”

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT