Caso Aline: Preso por morte de jovem cospe em repórter, que revida com microfone

Anúncio

Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45 anos, foi preso nesta quarta-feira (2) apontado como autor de matar a jovem Aline Silva Dantas, de 19 anos, em Alumínio (SP). Rapaz cuspiu em repórter ao ser levado para viatura.

A Polícia Civil apresentou nesta quarta-feira (2) o suspeito de ter matado Aline Silva Dantas, de 19 anos, em Alumínio (SP). A jovem foi encontrada morta e com o corpo queimado em uma área de mata na cidade três dias depois de desaparecer, em 8 de setembro, quando saiu de casa para comprar fraldas para a filha de 1 ano.

Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45 anos, foi preso em casa, também em Alumínio, e negou o crime à polícia. Ele teve a prisão temporária de 30 dias pedida pela polícia à Justiça.

Um vídeo feito pelo repórter cinematográfico da TV TEM Fernando Bellon mostra o momento em que o suspeito foi conduzido por policiais da delegacia até a viatura da polícia para ser levado a um presídio. Durante o percurso, Heronildo cuspiu no rosto de uma repórter, que revidou batendo com o microfone nele (veja abaixo).

Por questões de segurança, a Polícia Civil não informou para qual unidade prisional Heronildo foi levado. O suspeito foi indiciado por estupro, homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

DNA do suspeito

Exames de DNA ajudaram a polícia a identificar o homem preso suspeito de matar Aline Dantas. Segundo a Polícia Civil, os laudos apontaram que a vítima achada morta em um matagal, em 11 de setembro deste ano, foi estuprada e tentou se defender do abuso.

De acordo com a delegada Luciane Bachir, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, foram colhidos materiais genéticos de quatros homens com histórico de violência sexual.

Um deles era do desempregado Heronildo. O DNA do suspeito foi identificado abaixo das unhas de Aline e no órgão sexual da vítima.

“A nossa investigação afunilou nele desde praticamente o início. Os indícios apontavam para ele e os laudos vieram para complementar o que praticamente estava comprovado. Tratamos o crime como elucidado”, disse Bachir.

A vítima e o homem não se conheciam e o crime não teria sido premeditado. Segundo a polícia, Aline foi escolhida ao acaso, chamado de crime de oportunidade.

Heronildo tem passagem por uma tentativa de estupro em 2012, também em Alumínio. Na época, o ataque à vítima foi parecido com o de Aline: na rua e em local sem movimento.

Aline Silva Dantas foi encontrada morta três dias depois de desaparecer em Alumínio (SP) ao sair para comprar fraldas para a filha — Foto: Arquivo pessoal

Buscas

Equipes de buscas se mobilizaram para encontrar a jovem depois do desaparecimento, no dia 8 de setembro. A polícia teve o apoio de cães farejadores da Guarda Municipal de Itupeva.

Segundo a polícia, a identificação foi feita com base nos traços da vítima e de pedaços do vestido que ela usava no dia do desaparecimento.

No dia seguinte ao encontro do corpo de Aline, em 12 de setembro, policiais encontraram um artefato explosivo na área onde foi localizado o corpo de Aline. A polícia informou que o artefato foi deixado no local depois que o corpo foi encontrado e não há relação com o crime.

O velório da jovem foi realizado na manhã do dia 12 de setembro. Ela foi enterrada no cemitério municipal.