Caso Susana: Polícia Civil prende assassino da mulher que sumiu após sair com carro da empresa

PUBLICIDADE

Pedreiro apontado como autor do crime foi preso na noite deste domingo (21), em Itapetininga (SP).

A Polícia Civil prendeu na noite deste domingo (21), em Itapetininga (SP), o homem que roubou e matou a vendedora Susana Dias Batista, de 47 anos. Susana desapareceu na quarta-feira (17), depois de sair para almoçar com a picape da empresa onde trabalhava. Ela foi achada morta no dia seguinte, em uma área de mata.

Com auxílio das câmeras de segurança de lojas e condomínios e de uma testemunha, que confirmou que ele é o homem que entrou no carro de Susana, a polícia identificou Raimundo Nonato da Silva Pessoa como o autor do crime.

Raimundo confessou o homicídio, mas negou o estupro. Porém, a mulher foi encontrada seminua. Por isso, a polícia investiga se houve o crime. Ele trabalhava como pedreiro e teve a prisão temporária decretada na sexta-feira (19). Após investigação para descobrir o paradeiro do suspeito, ele foi localizado na Vila Nastri II e preso na noite de domingo. Segundo a polícia, Raimundo tentou resistir à prisão.

No local onde ele foi preso, a polícia encontrou a roupa que ele usava no dia do crime. Raimundo foi levado até a delegacia, onde foi ouvido, sendo transferido para um Centro de Detenção Provisória (CDP) da região.

Raimundo Pessoa, assassino de Susana Batista, na delegacia após ser preso por homicídio em Itapetininga — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Abordagem

Susana Batista desapareceu na tarde de quarta-feira quando saiu para almoçar com o carro da empresa. Desde então, amigos e parentes comunicaram a polícia e começaram a fazer buscas por ela.

A filha de Susana, Tainá Cesar, de 25 anos, contou que, assim que recebeu a notícia do desaparecimento, rastreou o celular da mãe e a procurou pelos locais onde ela teria passado. “Vi que o sinal do celular da minha mãe indicou que ela passou por uma farmácia e depois por Alambari. Fui até os comércios e pedi as imagens. Consegui vídeos e descobri que minha mãe foi abordada por um homem, ainda na farmácia”, conta a jovem.

No vídeo gravado por uma das câmeras de segurança, por volta das 14h30, é possível ver a picape que Susana utilizava estacionada na Rua Padre Albuquerque, no centro de Itapetininga, e uma possível abordagem. Raimundo se aproxima, olha em volta, e aparenta entrar no veículo pela porta do motorista (conforme o vídeo, a ação ficou encoberta por uma placa de publicidade).

Cerca de dez minutos depois, o veículo da empresa foi visto pela Avenida Dr Ciro Albuquerque, próximo a uma empresa de energia. Um câmera de segurança flagrou a picape passando pelo trecho às 14h49, sentido Alambari, e retornando às 15h27.

Da segunda vez que a picape passa pela avenida, aparentemente, é o assassino quem está na direção do veículo. Neste momento, ele bate na guia e invade a calçada, quase atingindo um poste e danificando uma das rodas da picape.

PUBLICIDADE
Mapa do caso Susana, em Itapetininga — Foto: Arte: g1 / Fotos: reprodução e divulgação

Corpo encontrado

O corpo de Susana foi encontrado um dia depois de desaparecer. Parentes que faziam buscas às margens da Rodovia Vereador Humberto Pellegrini (SP-268), entre Itapetininga e Alambari (SP), a localizaram morta. O corpo estava onde a mulher tinha sido vista pela última vez por dois ciclistas, conforme a família.

As polícias Militar e Civil foram até o local, assim como uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O corpo foi recolhido pela funerária e levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Itapetininga.

De acordo com a Polícia Civil, a mulher tinha vários hematomas no rosto e estava usando apenas roupas íntimas. As causas da morte dela serão investigadas.

Família encontra corpo de mulher desaparecida em Itapetininga — Foto: Karina Ricca/Tv Tem

Velório

O corpo de Susana foi liberado do Instituto Médico Legal (IML) no início da tarde de sexta-feira (19). O velório foi realizado logo depois, na Paróquia São João Batista, com caixão fechado. Às 15h, começou uma missa de corpo presente, e o sepultamento por volta das 17h no Cemitério São João Batista.

Conforme apurado, a igreja comporta 534 pessoas e ficou lotada na tarde desta sexta-feira (19). Susana fazia parte de um grupo na paróquia que ajudava famílias em situação de vulnerabilidade.

PUBLICIDADE
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP