Causa da pessoa com deficiência mobiliza o Ensino Superior de São Paulo

Neste mês, universidades estaduais paulistas realizaram oficinas temáticas, que abordaram o uso das tecnologias assistivas.

A secretária estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Célia Leão, agradeceu à Universidade Estadual Paulista (Unesp) pelo envolvimento com a causa da pessoa com deficiência e a atuação no grupo de trabalho que ajudou a formatar oficinas realizadas ao longo do mês de julho sobre ensino superior inclusivo. As três universidades estaduais paulistas (USPUnicamp e Unesp) estiveram envolvidas na iniciativa.

Em ofício enviado ao reitor da Unesp, Sandro Roberto Valentini, a secretária Célia Leão afirma que a universidade tem demonstrado estar “preocupada com a diminuição das barreiras para o ingresso e permanência dos alunos com deficiência em seus campi” e “contribuído muito para a realização das oficinas temáticas”.

clique na imagem e saiba mais

As oficinas promovidas nos dias 7, 9, 14 e 16 de julho foram virtuais, em razão da pandemia de COVID-19, e divididas em quatro temas: censo dos alunos com deficiência, uso das tecnologias assistivas, projeto político pedagógico inclusivo e desenho universal.

Grupo de trabalho

Participaram dos trabalhos cerca de 40 especialistas das instituições públicas estaduais ligadas ao ensino superior que compõem o grupo de trabalho liderado pela pasta estadual: além de USP, Unesp e Unicamp, a Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp) e o Centro Paula Souza, responsável pelas Fatecs (Faculdades de Tecnologia).

Durante as oficinas, os participantes trocaram experiências, relataram boas práticas na área e recursos para a aprendizagem utilizados nas instituições de ensino.

Nos encontros, foi utilizada a infraestrutura do Google Meet da Unesp, que deu suporte técnico para as atividades, por meio da Coordenadoria da Tecnologia da Informação. “Nós temos um compromisso com a vida e a sociedade”, ressaltou a secretária Célia Leão, ao dar início à programação das oficinas, de acordo com reportagem do Portal da Unesp.

A Comissão Permanente de Inclusão e Acessibilidade da Unesp é liderada pela professora Vera Capellini, presidente da comissão, e esteve à frente dessa interlocução com a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. A aproximação com a pasta foi iniciada pela professora Maria Aparecida Custódio Domingues, ex-presidente da comissão.

“Foi um trabalho muito produtivo e um momento importantíssimo para o estado no sentido de fomentarmos a parceria com a secretaria. Quanto mais a parceria se consolida e São Paulo demanda das universidades uma preocupação e um atendimento com qualidade de todos os seus alunos, incluindo aqueles com deficiência, conseguimos fortalecer isso nas nossas instituições”, disse Vera Capellini ao Portal da Unesp.

Ações conjuntas

As instituições de Ensino Superior se colocaram à disposição para articular ações conjuntas. “Foi muita rica a troca de experiências entre as instituições. O trabalho coletivo com as coirmãs vai fortalecer para a próxima década a política de acessibilidade e inclusão nas universidades”, afirma a presidente da Comissão Permanente de Inclusão e Acessibilidade da Unesp.

Em fevereiro deste ano, a Unesp criou, por meio da Portaria 69/2020, a Política de Acessibilidade e Inclusão, que reconhece como diretriz geral em todas as unidades da universidade o direito à acessibilidade e à inclusão das pessoas com deficiência e com outras necessidades educacionais específicas.