Cinco anos após morte de estudante da UFSCar familiares pedem reabertura do caso

Por Gabrielle Chagas e Geovana Alves*, G1 São Carlos e Araraquara

Após cinco anos, amigos e familiares de um universitário de 22 anos encontrado morto em São Carlos (SP) em 2014 realizaram um ato neste sábado (23) pedindo a reabertura do caso, que foi arquivado dois anos depois.

A manifestação pacífica neste sábado foi organizada pelos pais de Sérgio Gonçalves Lima, conhecido como Panco, que estudava na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O ato aconteceu no local onde o jovem foi morto, na estrada de terra próxima à alça de acesso que liga a Rodovia Washington Luís (SP-310) ao Jardim Embaré.

Sueli pede que Ministério Público reabra o caso do filho — Foto: Gabrielle Chagas/G1

Morte suspeita

O corpo de Panco foi encontrado pela Polícia Militar em 23 de fevereiro de 2014, por volta das 3h50 após uma ligação ao 190 informando um atropelamento. Os policiais verificaram que os ferimentos na cabeça e nas costas não condiziam com um acidente.

No boletim de ocorrência, a PM reforçou que, mesmo com a chuva que atingiu a cidade momentos antes, a vítima não estava molhada. O caso foi registrado como morte suspeita.

Panco foi encontrado na estrada que liga a rodovia até a casa de shows onde acontecia a formatura — Foto: Gabrielle Chagas/G1

Formatura

Panco estava com amigos em uma festa de formatura da UFSCar, realizada há 300 metros do local onde ele foi encontrado.

Testemunhas disseram que o estudante foi retirado do ambiente pelos seguranças após desentendimento gerado pela tentativa de aparecer na foto de uma moça acompanhada do namorado.

Investigação

O caso foi arquivado há mais de 2 anos. Segundo os familiares, eles descobriram apenas depois de uma visita à promotoria após quatro meses.

Segundo a Polícia Civil, na época, cerca de 100 pessoas foram ouvidas. O inquérito policial foi encaminhado ao Ministério Público (MP), que entendeu que a autoria do crime era desconhecida.

Já a empresa de formatura responsável pela festa informou Que se colocou à disposição para esclarecimento dos fatos durante toda a investigação. A sindicância aberta em paralelo ao inquérito da Polícia Civil chegou a mesma conclusão feita pelo delegado, promotor e juiz que estavam a frente do caso.

Amigos que estavam na formatura dizem não entender como a tragédia aconteceu em tão pouco tempo — Foto: Gabrielle Chagas/G1

Sob supervisão de Fabio Rodrigues, do G1 São Carlos e Araraquara.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP