Corpo de motorista de app achada carbonizada tinha marcas de tiro, diz polícia

Anúncio

Laudo apontou três projéteis alojados no corpo de Amanda Pereira Agustinho Giovanetti, de 29 anos. Família de Limeira (SP) fez o reconhecimento do corpo no IML de Sorocaba.

Exames apontaram que a motorista de aplicativo Amanda Pereira Agustinho Giovanetti, de 29 anos, foi atingida por três tiros, segundo o laudo emitido pela Polícia Civil na quarta-feira (23). A vítima foi encontrada carbonizada dentro de um carro em São Roque (SP) no dia 15 de janeiro.

No local, que fica na Estrada Ernesto Stokler de Lima, a perícia encontrou pertences da jovem e também cápsulas de munições de armas. Uma delas estava dentro do veículo e outra do lado de fora, próximo à porta do motorista. A vítima estava no banco de trás.

O reconhecimento do corpo de Amanda foi feito pela família, no dia 16 de janeiro e o corpo foi liberado do Instituto Médico Legal nesta quinta-feira (23), segundo o boletim de ocorrência.

A investigação pretende checar os itinerários e verificar os caminhos feitos pela jovem antes de desaparecer. Segundo a família, ela deixaria um passageiro na capital. Em nota, a 99 disse que lamenta a morte da motorista e que a última corrida ocorreu no dia 14 de janeiro e terminou sem problemas.

“Assim, não há indícios de que estava em corrida pela plataforma no momento do ocorrido. A empresa se solidariza com a família da vítima e está disponível para colaborar com as investigações da polícia.”

Leia também: Corpo de motorista aplicativo encontrado carbonizado é liberado para a família de Limeira, SP