Corpo de motorista de app achada carbonizada tinha marcas de tiro, diz polícia

clique na imagem e saiba mais

Laudo apontou três projéteis alojados no corpo de Amanda Pereira Agustinho Giovanetti, de 29 anos. Família de Limeira (SP) fez o reconhecimento do corpo no IML de Sorocaba.

Exames apontaram que a motorista de aplicativo Amanda Pereira Agustinho Giovanetti, de 29 anos, foi atingida por três tiros, segundo o laudo emitido pela Polícia Civil na quarta-feira (23). A vítima foi encontrada carbonizada dentro de um carro em São Roque (SP) no dia 15 de janeiro.

No local, que fica na Estrada Ernesto Stokler de Lima, a perícia encontrou pertences da jovem e também cápsulas de munições de armas. Uma delas estava dentro do veículo e outra do lado de fora, próximo à porta do motorista. A vítima estava no banco de trás.

O reconhecimento do corpo de Amanda foi feito pela família, no dia 16 de janeiro e o corpo foi liberado do Instituto Médico Legal nesta quinta-feira (23), segundo o boletim de ocorrência.

A investigação pretende checar os itinerários e verificar os caminhos feitos pela jovem antes de desaparecer. Segundo a família, ela deixaria um passageiro na capital. Em nota, a 99 disse que lamenta a morte da motorista e que a última corrida ocorreu no dia 14 de janeiro e terminou sem problemas.

“Assim, não há indícios de que estava em corrida pela plataforma no momento do ocorrido. A empresa se solidariza com a família da vítima e está disponível para colaborar com as investigações da polícia.”

Leia também: Corpo de motorista aplicativo encontrado carbonizado é liberado para a família de Limeira, SP