Crise chega ao mercado do sexo e prostitutas estimam queda de faturamento

Profissionais do setor justificam que, em tempo de recessão, esse tipo de lazer é um dos primeiros itens a serem cortados

Não está nada fácil para ninguém. A crise econômica que assola a economia brasileira, quebra empresas, gera milhões de desempregados e arregaça com quase todos os setores produtivos, agora brochou de uma vez por todas com um nicho econômico que parecia incólume aos avanços da tempestade econômica: a prostituição.

O mercado de mulheres de companhia, antes rijo como uma peroba rosa, dá sinais de uma engazopada que nem o viagra pode dar jeito. Foi o que constatou a reportagem em um tradicional ponto de prostituição de Araras/SP, localizado próximo à Estação Rodoviaria “Padre João Modesti”.

clique na imagem e saiba mais

Há três anos trabalhando como prostituta, A.M.S, 22 anos, enfrenta o frio todas as noites, ela disse que não pode deixar que o clima a espante dos afazeres diários, principalmente agora, em que o cenário econômico do país não está favorável nem mesmo para as profissionais do sexo. “Convivo com homens de vários mercados, se a crise chegou até eles, é claro que também chegou até nós”, garante.

Para a simpática J.S, de 22 anos, a situação não vai mudar tão cedo. Segundo ela, a crise atual é comparável a um tsunami que vai destruindo tudo e depois leva tempo para arrumar a bagunça. “As pessoas estão mais preocupadas em colocar arroz e feijão dentro de casa do que fazer programas sexuais. Transar deixou de ser prioritário”, filosofou. “Ainda bem que eu moro com mais outras três meninas. A gente divide as despesas e gastamos somente com o básico”, destacou.

Não há números oficiais para definir o quanto as profissionais desse mercado têm sido afetadas pela crise econômica, mas a reclamação é geral: seja daquelas que ficam nas ruas, seja das que atendem em apartamentos ou casas. “Posso garantir que houve uma queda de 30% a 50% na quantidade de programas

Para se ter uma ideia do quanto andam as coisas paras as prostitutas, o valor do encontro, que já chegou a R$ 150 para algumas delas, está na faixa de R$ 50,00.