Defesa Civil aponta risco de colapso em estrutura e falta de laudo dos bombeiros e interdita fábrica após explosões em Limeira, SP

Corpo de Bombeiros apontou, neste domingo, que um incêndio causou as explosões em tanques de gás, mas a causa do fogo ainda é apurada. Dono da fábrica afirma que renovação de AVCB estava em andamento.

A Defesa Civil interditou neste domingo (14) a fábrica de cerâmicas onde houve explosões em tanques de gás, em Limeira (SP), na noite deste sábado (13). De acordo com o órgão, a interdição foi necessária devido ao risco de colapso da estrutura e porque a empresa não tem o auto de vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB).

O Corpo de Bombeiros também apontou, neste domingo, que um incêndio provocou as explosões nos tanques de gás. No entanto, ainda não se sabe o que causou o fogo, o que deve ser avaliado em laudo pericial.

A empresa que fornecia gás para a cerâmica também se pronunciou neste domingo e informou que está oferecendo apoio às autoridades legais nas investigações das causas do acidente.

clique na imagem e saiba mais

O gerente da cerâmica, Valmir Rauli afirmou que a fábrica estava em processo de renovação o auto de vistoria do Corpo de Bombeiros, que já tinham realizado orçamentos e estavam com “todos os trâmites prontos” para a regularização.

Sobre a interdição, ele comentou que por causa dos danos do telhado provocados pelas explosões, há riscos em deixar funcionários no local e a empresa aguarda o laudo pericial.

Danos no telhado da empresa foram um dos motivos que levaram à interdição — Foto: Drone César Cocco

Bola de fogo assustou moradores

Vídeos feitos por moradores mostram que uma bola de fogo tomou o céu da cidade e assustou moradores do entorno no momento da explosão. Assista abaixo:

Equipes do Corpo de Bombeiros foram acionadas para comparecer na indústria, localizada na Estrada Municipal SP-335, e o fogo foi controlado. Por volta da meia-noite era realizado trabalho de rescaldo na empresa. Segundo a corporação, não houve vítimas.

O grupamento informou que houve duas explosões em tanques de gás e que houve danos nestes reservatórios e no telhado da fábrica, que foi todo destruído. Funcionários informaram que os reservatórios de gás abastecem os fornos da cerâmica.

De acordo com esses funcionários, o fogo teria começado por volta das 21h, após uma primeira explosão. A cerâmica estava em operação no momento do acidente e foi rapidamente evacuada. No momento da segunda explosão, muito maior, os quase 30 funcionários já tinham deixado o local.

Os bombeiros detalharam que o fogo atingiu três tanques, cada um com aproximadamente 80 metros cúbicos. Como não era possível se aproximar, devido a explosões ocorridas anteriormente, inicialmente a equipe realizou isolamento do local e confinamento do fogo, para que ele não avançasse ao segundo galpão.

Equipes da perícia foram ao local, assim como funcionários das empresas de gás e de energia elétrica, que trabalharam para restabelecer o serviço na região. A concessionária Elektro, responsável pela rede elétrica, informou que houve apenas uma “perturbação momentânea (tempo menor que 3 minutos) da rede primária”.

“Enviamos nossa equipe para efetuar uma inspeção na rede primária afim de verificar se houve algum dano ou se havia alguma situação de risco devido ao incêndio, porém o incêndio foi na parte interna da cerâmica não causando nenhum outro impacto na rede Elektro”, acrescentou. A corporação utilizou na ação 18 bombeiros e sete viaturas.

ÁGIL DPVAT