Deputada Janaina Paschoal diz que doação de comida na Cracolândia ajuda crime; padre Júlio Lancelotti rebate

Deputada estadual de SP fez publicações nas redes sociais após padre afirmar que Polícia Militar tentou impedir doação de marmitas na região.

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) fez publicações nas redes sociais criticando o padre Júlio Lancellotti e a Pastoral do Povo da Rua de São Paulo por distribuir comida às pessoas em situação de rua no Centro da capital paulista, na região da Cracolândia. “A distribuição de alimentos na Cracolândia só ajuda o crime”, escreveu no último sábado (7). Ela disse ainda que “o padre e os voluntários ajudariam se convencessem seus assistidos a se tratarem e irem para os abrigos”.

O post foi feito após o padre afirmar que a Polícia Militar intimidou agentes da pastoral no bairro da Luz, no Centro de São Paulo, para não entregarem comida aos moradores de rua. (Veja nota da Secretaria de Segurança Pública no final da reportagem).

A postagem da deputada recebeu críticas e, neste domingo (8), ela voltou às redes sociais e escreveu que “há anos, todos reclamam da Cracolândia, mas ninguém tem coragem de olhar para as ações que findam por colaborar que aquela região siga assim. Alimentar no vício só estimula o ciclo vicioso! Peço que pensem a respeito!”, completou.

No seu perfil, Lancellotti reproduziu um meme com imagens que representariam a deputada dormindo enquanto o número de brasileiros que morreram por Covid-19 se aproxima de 600 mil e depois exibe ela acordada e revoltada com a doação de comida. Na legenda, ele escreveu “lutar e crer”.

Janaina Paschoal durante sessão no Senado sobre processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 2016 — Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Nota da Secretaria de Segurança Pública:

“A SSP informa que as forças de segurança paulista atuam diariamente no centro da cidade de São Paulo, inclusive na região da Nova Luz, para garantir a segurança da população e combater todas as modalidades criminosas. O efetivo da PM realiza no local o policiamento preventivo e ostensivo, com o emprego de bases comunitárias móveis, equipes de radiopatrulhamento de duas e quatro rodas, Cavalaria, Baep, equipes de Força Tática e Rocam, além do uso de drones para mapear a área e traçar novas ações. A Polícia Civil também atua no local, por exemplo, com a Operação Caronte, realizada pela 1ª Seccional, que prendeu suspeitos envolvidos com o tráfico de drogas e apreendeu de mais de 3,5 quilos de entorpecentes. As polícias paulistas são instituições legalistas, que respeitam e obedecem o Art. 5°, inciso XV, da Constituição Federal: é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens. De qualquer forma, a Corregedoria da instituição está à disposição para receber todas as denúncias com relação às abordagens policiais.”

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT