Donos de bares e restaurantes protestam contra fechamento dos estabelecimentos aos finais de semana em SP

Governo de SP deve colocar estado na fase vermelha da quarentena aos finais de semana e a partir das 20h nos dias úteis, permitindo o funcionamento apenas de serviços essenciais. Grupo faz manifestação na Zona Sul da capital.

Donos de bares e restaurantes realizam um protesto na manhã desta sexta-feira (22) contra o possível fechamento dos estabelecimentos comerciais aos finais de semana, feriados e a partir das 20h nos dias úteis.

Essas medidas restritivas de isolamento social devem ser anunciadas pelo governo de São Paulo nesta tarde para tentar frear o avanço da Covid e evitar que o estado entre na fase vermelha de flexibilização econômica após a alta de casos da doença. O protesto começou por volta das 9h, no Morumbi, na Zona Sul da capital paulista.

Os manifestantes ocupavam duas faixas da Avenida do Morumbi, próximo ao Palácio dos Bandeirantes. O protesto foi organizado pelo setor de bares e restaurantes, que alega a dificuldade de manter os empregos durante a pandemia e o prejuízo com o descarte de alimentos perdidos.

clique na imagem e saiba mais

Fase vermelha

As medidas de restrição que devem ser adotadas pelo Governo do estado acontecem após mais uma semana de piora nos indicadores da Covid-19. Na fase vermelha, apenas serviços essenciais como padarias, mercados e farmácias, podem operar. Bares, restaurantes e comércio não poderão funcionar.

Seis novas regiões devem regredir à fase vermelha, na qual atualmente está apenas Marília. A capital paulista e a Grande São Paulo também sofrerão alterações e ficarão na fase laranja, que não permite o funcionamento dos bares.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“As restrições de horários e serviços têm como objetivo diminuir a circulação das pessoas e, com elas, do vírus.”

Mortes e casos em alta

O estado já registra média diária de mortes por Covid-19 acima de 200 há mais de 13 dias seguidos, o que não acontecia desde setembro de 2020. Tanto os novos óbitos quanto os novos casos de coronavírus estão com tendência de alta. Na terça, SP ultrapassou a marca de 50 mil mortes provocadas pela doença.

ÁGIL DPVAT