Donos de bares levam caixão para ruas em protesto contra fase vermelha aos fins de semana e durante a noite em Limeira, SP

Região está na fase laranja do Plano SP, que não permite o atendimento presencial nesses estabelecimentos; além disso, todo o estado está em fase vermelha no período noturno e aos fins de semana.

Donos de bares e restaurantes protestaram em Limeira (SP) na manhã desta segunda-feira (25) contra o fechamento dos estabelecimentos determinado pelo Governo do Estado por meio do Plano São Paulo.

A região está na fase laranja, o que já não permite o atendimento presencial em bares. Na última sexta-feira (22), o governo anunciou que aos fins de semana e no período das 20h às 6h dos dias úteis todo o estado fica em fase vermelha, em que só serviços essenciais podem funcionar.

Veja abaixo o que pode funcionar nas fases laranja e vermelha do Plano SP.

clique na imagem e saiba mais

O ato começou na Praça Toledo de Barros e os comerciantes do setor levaram cartazes, um carro de som e um caixão. Depois eles seguiram para a prefeitura carregando o caixão. A Polícia Militar acompanhou o ato.

Os comerciantes alegam dificuldade em manter os empregos durante a pandemia, além de prejuízos com perdas de alimentos. Alguns também pedem a saída do governador João Doria (PSDB).

O estado diz que as restrições são necessárias diante das altas de casos, internações e mortes por Covid-19 nos últimos 15 dias, além da pressão por leitos de UTI para pacientes com a doença. “O governo de São Paulo mantém canal aberto com todos os setores da economia e representantes de associações. Reforça também que atua com plena responsabilidade e transparência no combate e controle do coronavírus, sempre amparado pela ciência”, informa nota da assessoria.

Donos de bares de Limeira protestam contra o fechamento durante as fases laranja e vermelha do Plano SP — Foto: Edijan Del Santo/EPTV

Fase vermelha

O que fica fechado: Comércio de rua e shoppings; Bares e restaurantes; Salões de beleza, cabeleireiros e similares; Academias e centros esportivos

Serviços essenciais liberados: Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal; Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado o consumo no local; Bares, lanchonetes e restaurantes: serviços de entrega (delivery) e que permitem a compra sem sair do carro (drive-thru). Válido também para lojas em postos de combustíveis; Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção; Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos; Serviços gerais: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos e bancas de jornais; Segurança: serviços de segurança pública e privada; Comunicação social: meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens; Construção civil, agronegócios e indústria: sem restrições;

Fase Laranja

Todos os setores de comércio e serviços passam a ser permitidos. A exceção é o atendimento presencial em bares, que continua proibido; Capacidade de ocupação: antes era de 20% e vai para 40% em todos os setores; Funcionamento máximo: ampliado de 4 para 8 horas por dia; Horário de fechamento: atendimento presencial só poderá ser feito até 20h; Parques estaduais, salões de beleza e academias: poderão abrir;

ÁGIL DPVAT