Dupla que usava máscaras de palhaço e Frankenstein para roubar escolas é presa em SP

Foram encontrados centenas de computadores, sendo necessário um caminhão para transportar mercadoria roubada em Registro, no interior paulista.

Dois homens, de 32 e 34 anos, foram presos por suspeita de integrarem uma organização criminosa especializada em realizar roubos a instituições públicas de ensino. Segundo a Polícia Civil informou nesta quarta-feira (5), na residência deles, foram encontradas toucas ninja com as figuras de um palhaço e de Frankenstein, utilizadas no dia de um roubo em Registro, no interior paulista.

A prisão foi realizada durante a 2ª fase da operação chamada “School Computer”, na qual policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Registro, em trabalho investigativo desenvolvido em conjunto com agentes do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) e do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (DOPE), cumpriram, nesta terça-feira (4), os dois mandados de prisão temporária e mandados de busca e apreensão dos dois suspeitos.

clique na imagem e saiba mais

O trabalho de investigação teve início após o roubo de computadores ocorrido em 15 de abril deste ano, na Diretoria Regional de Ensino de Registro. A primeira etapa da operação ocorreu em 8 de junho, com a prisão de outras três pessoas suspeitas de integrarem essa organização criminosa, em São Paulo.

Conforme explica a polícia, após a conclusão da 1ª fase, as diligências continuaram de modo ininterrupto, o que permitiu que as equipes chegassem à dupla. Segundo as autoridades, no primeiro endereço, um imóvel localizado no bairro Cambuci, em São Paulo, os investigadores prenderam o homem de 34 anos, que é dono de um estabelecimento de informática no bairro Santa Efigênia.

Além da residência desse suspeito, os policiais foram até o estabelecimento comercial do preso e lá encontraram, em depósito ou expostos à venda, centenas de computadores e dispositivos de informática com os selos de identificação da Secretaria de Educação de São Paulo e do Programa Proeducar.

Os policiais afirmam que apuraram que esse suspeito era o responsável por desmontar os computadores roubados e reutilizar as peças em outros equipamentos vendidos na loja. Foram encontradas centenas de aparelhos e, por isso, foi necessário utilizar um caminhão para carregar a mercadoria roubada.

No segundo endereço alvo da operação, um imóvel localizado em Itaquaquecetuba, os policiais prenderam o segundo suspeito, de 32 anos. Além das máscaras, os policiais encontraram as anotações sobre a venda dos aparelhos roubados. Material que, segundo a polícia, servirá como fonte de informação para futuras investigações.

De acordo com o delegado Marcelo Freitas, responsável pela investigação, essa foi uma ação importante da Polícia Civil, já que centenas de computadores foram recuperadas e irão ajudar no ensino de crianças e adolescentes nesse momento de pandemia.

Conforme explica a Polícia Civil, após serem realizados os procedimentos referentes às prisões temporárias e mandados de busca e apreensão, os presos foram conduzidos ao cárcere e permanecem à disposição da Justiça.