Em videoconferência, delegado destaca ações do DEIC no combate à pirataria em tempos de Covid-19 em SP

Webinar aconteceu na tarde desta quinta-feira (21) e teve a participação de autoridades do Brasil, E.U.A., França e Reino Unido.

O delegado Wagner Martins Carrasco de Oliveira, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), participou, na tarde de quinta-feira (21), da webinar intitulada “Os perigos da pirataria em tempos de Covid-19: dicas para não comprar produtos médicos falsificados”.

A videoconferência teve a participação de autoridades brasileiras, britânicas, americanas e francesas com o objetivo de esclarecer a atuação de cada órgão para combater crimes, como a pirataria, durante a pandemia. A iniciativa também visou a dar dicas para que a população não caia em golpes.

“É uma satisfação imensa estar participando desse evento, na presença de pessoas que combatem diariamente a pirataria”, iniciou o delegado, que atua na 1ª Delegacia da Divisão de Investigações Gerais (DIG), do Deic, especializada em coibir crimes de propriedade imaterial e pirataria.

clique na imagem e saiba mais

Carrasco, prosseguiu sua palestra explicando que, com o surgimento da Covid-19, todos do mundo se readequaram, incluindo a Polícia Civil e os criminosos, que começaram a infringir a lei de outras formas. “Nossa ótica passou a ser voltada para alguns objetos que passaram a ser falsificados e oferecidos ilegalmente no mercado, podendo trazer riscos à saúde do indivíduo”, destacou o delegado ao falar de álcool em gel, máscaras de proteção e medicamentos.

Em sua explanação, Carrasco também levantou questões como a venda de produtos que se apropriam de marcas famosas ilegalmente, além dos “charlatões”, que têm se aproveitado da situação para oferecer produtos milagrosos, que curam o novo vírus por meio de sites da internet. Para combater ambos os crimes, diversas operações são realizadas pelo Departamento.

Com o fechamento de estabelecimento comerciais, Carrasco ressaltou que foi necessário se reinventar no combate a diversos delitos. Com isso, os agentes passaram a focar na fonte, ou seja, locais de fabricação dos produtos ilegais, o que levou à apreensão de mais de 650 mil itens pirateados até o momento.

Recomendações

O delegado finalizou sua palestra com algumas dicas aos consumidores. Segundo ele, é essencial verificar a origem da informação na internet, a qualidade do produto e da sua embalagem, bem como comparar a mercadoria a outras imagens oficiais para constatar sua veracidade.

Carrasco também recomendou o acesso a páginas na internet destinadas a avaliar empresas e orientou a não agir por impulso. O delegado fez um apelo para que a população ajude a polícia, não fomentando o comércio de produtos ilegais. Ou seja, evitando adquirir essas mercadorias, que muitas vezes podem ser prejudiciais ao comprador e sua família.