Empresárias apostam na moda sem gênero e marca consegue destaque no mercado

O objetivo é vender as roupas para todos os públicos, crianças, adultos, homens e mulheres. Mãe e filha vendem suas peças em feiras e no e-commerce da marca.

Moda tem sexo? Uma dupla de empresárias, mãe e filha, perceberam que quando o assunto é moda, o estilo importa muito mais do que o gênero.

“Tudo começou quando eu saí da minha área de formação, eu sou formada em tecnologia da informação, e eu procurei uma coaching, porque eu queria trabalhar em uma área que eu pudesse exercer mais a minha criatividade”, conta a empresária Jéssica Costa Barros.

Em um dos encontros, a coach elogiou a roupa que Jéssica vestia. “Contei que minha mãe criava peças de roupa pra ela na adolescência, e a gente gostava de criar peças juntas, e ela me propôs que a gente trabalhasse com isso.”

“A gente investiu bem pouquinho no início, R$ 1,5 mil. A gente comprava metragem, a gente não comprava rolo de tecido. De início, a gente criou peças mais voltadas para o público feminino. Só que a ideia era abrir uma marca que atendesse todos os públicos, uma marca para todo mundo, para crianças, adultos, homens e mulheres”, diz Jéssica.

Foi exatamente isso que fez a marca se destacar: elas apostaram na moda sem gênero. As peças são vendidas em feiras e no e-commerce da marca. São vendidas 200 por mês. Os preços vão de R$ 89 a R$ 250. Elas faturam cerca de R$ 12 mil mensais.

“A gente vende muito para o casal, se eles usam o mesmo tamanho, geralmente eles trocam, um compra uma peça e outro compra outra pra eles trocarem. A gente faz no P ao GG . A gente pretende expandir também para a linha plus size, para poder atender todos os públicos”, diz Jéssica.

Outra preocupação é com a sustentabilidade do negócio. Toda sobra é utilizada. “Hoje o ateliê é dentro da casa da minha mãe. A gente pretende, até o final do ano, alugar um espaço pra ser o nosso ateliê, e capacitar, de preferência, mulheres mães, que têm dificuldade de entrar no mercado de trabalho, para trabalharem com a gente, tanto na confecção das roupas como dos acessórios também”, avisa a empresária.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT