Equipe de ROMU realiza ação de combate ao crime em Pirassununga, SP

Os casos foram encaminhados ao plantão da Central de Polícia Judiciária.

Os GCMs Edmilton, Carlos, Bercke e Cesar, que fazem parte da ROMU – Ronda Ostensiva Municipal, da cidade de Pirassununga (SP), tiveram uma terça-feira (29) produtiva, durante ações de combate ao crime no município.

clique na imagem e saiba mais

O primeiro foi durante a tarde, durante patrulhamento, quando receberam uma denúncia dando conta de que um indivíduo de apelido Zezinho havia escondido drogas no muro de um Projeto Social Cuidando do Amanhã, ao lado da Creche Cantinho Feliz.

Em razão de tais fatos, se deslocaram até o local e no local da denúncia localizaram uma sacola plástica contendo vinte e dois microtubos plásticos. Próximo ao local, abordaram o indiciado, o qual possui apelido de Zezinho e a testemunha acima qualificada.

Ao ser questionado sobre a droga, o indiciado confessou que era dele, alegando que encontrou tais drogas, mas negou que seria destinada à venda. Já a testemunha confirmou que viu o indiciado mexendo no local onde foi localizada a droga.

Com o indiciado foi localizada a quantia de R$ 70,00 em notas trocadas. Na sequência os guardas foram até a casa do indiciado, onde localizaram a quantia de R$ 166,00 em notas diversas, cuja procedência é suspeita. Diante de tais fatos, conduziram o indiciado ao plantão policial, onde o mesmo e a testemunha confirmaram as versões dos guardas.

Diante do que foi noticiado, ao delegado de polícia no gozo de sua independência funcional assegurados pelo artigo 140 da Constituição do Estado de São Paulo e Lei nº 12.830/13, em uma apreciação técnico jurídico dos fatos e das versões apresentadas pelos policiais militares, entendeu que há indícios de que a droga seria destinada à venda, haja vista a relevante quantidade apresentada (todas já individualizadas para a venda), o que configura o crime de tráfico de drogas (artigo 33 “caput” da Lei nº 11.343/06), o qual é insuscetível de fiança.

Após a lavratura do auto de prisão em flagrante, considerando tratar-se de crime inafiançável, o indiciado foi recolhido ao centro de triagem da cadeia pública local.

Celular furtado

No início da noite a equipe em patrulhamento pela zona sul da cidade avistou um indivíduo em atitude suspeita, foi feita abordagem em revista pessoal foi localizado um aparelho celular da marca motorola,que após consulta constatou ser produto de furto a aproximadamente 2 meses.

Diante disso o indiciado foi levado a delegacia onde disse ter comprado celular de uma mulher que ele não poderia informar o nome há 4 meses, tal atitude chamou atenção da equipe que resolveu fazer contato com a vítima do furto.

A equipe #ROMU mostrou a foto do rapaz detido com celular a qual a vítima reconheceu ele como sendo o autor do furto. Diante disso foi feita apreensão do celular onde será instaurado inquérito para apurar melhor os fatos. O indivíduo foi liberado.

Furto qualificado

Segundo os guardas, eles já tinham recebido informações de empregados que indivíduos estariam entrando na Fazenda Nova Aliança e subraindo ferragens, fios e outros objetos metálicos de um galpão. Tais informações davam conta de que os autores estavam se utilizando de um veículo F4000, cor branca.

No começo da noite receberam a informação de um dos empregados da Fazenda dando conta de uma nova invasão. Pouco depois, no momento em que se deslocavam para a Vila Santa Fé avistaram um veículo com as mesmas características e notaram que a sua carroceria estava carregada com algumas ferragens e decidiram abordá-lo.

No momento o veículo tinha como único passageiro o condutor Odair e após fotografarem a carga e encaminhar as imagens ao proprietário da Fazenda, este de pronto reconheceu os objetos que estavam no caminhão como sendo seus. No veículo havia transformadores, cabos de aço, fios, moveis de metálicos, um portão e um fecho de alambrado, além de um galão de ácido sulfúrico.

Ao ser questionado, Odair confessou o crime, alegando que o seu enteado Heverton e seu amigo João também participaram do crime. Diante disso os guardas foram até as residências de Heverton e João, onde os detiveram. Ao serem questionados, ambos confessaram o crime, confirmando que estavam com Odair no momento do crime.

Diante de tais fatos, conduziram os três ao plantão policial, onde compareceu o administrador da fazenda que reconheceu os objetos apreendidos, sendo a ele devolvido. Nesta etapa urgente de cognição sumaríssima, configurado está à situação flagrancial, conforme o artigo 302, III do CPP.

Diante da materialidade delitiva e dos indícios de autoria revelados pelas versões apresentadas, reputo que a conduta dos indiciados amolda-se ao artigo 155, § 4º, inciso IV do Código Penal (furto qualificado), crime este cuja pena máxima suplanta quatro anos, tornando impossível a concessão de fiança em sede policial. Após a lavratura do auto de prisão em flagrante o indiciado foi recolhido à carceragem, onde permanecerá presa à disposição da Justiça Criminal.