Escola Superior da Cetesb inicia curso sobre inventário de gases de efeito estufa

Ação tem foco na sustentabilidade corporativa e pública; aulas virtuais são ministradas sempre às sextas-feiras.

A elaboração de inventários de gases de efeito estufa é o primeiro passo para uma instituição ou empresa contribuir para o combate às mudanças climáticas, fenômeno crítico, que aflige a humanidade. Daí, a importância do curso a distância “Inventário de Gases de Efeito Estufa: Sustentabilidade Corporativa e Pública”, oferecido pela Escola Superior da Cetesb e aberto na última sexta feira (2) pela diretora-presidente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo, Patrícia Iglecias.

Trata-se da 13ª turma, que em 2020 será transmitido na modalidade online, por meio da plataforma Zoom. Os alunos são da Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins, além de São Paulo. As aulas virtuais são ministradas sempre às sextas-feiras e terminam em 30 de outubro.

clique na imagem e saiba mais

Patrícia Iglecias saudou os participantes enfatizando a importância do tema e afirmando que a Cetesb cada vez mais vê a necessidade da boa formação de seus técnicos e da área pública, mas também dos profissionais do setor privado, por exemplo, para o aprimoramento dos processos de licenciamento ambiental.

Conteúdo

A gestora lembrou que em 2008 o “GHG Protocol” lançou a metodologia para elaboração de Inventário de Gases de Efeito Estufa, e que já em 2009 foi formada a 1ª turma do curso. Ela observou que, além das 13 turmas até o momento, a 14ª terá as aulas ministradas em novembro próximo, e que já houve duas turmas na modalidade in company, para a Petrobras. “Já treinamos mais de 400 alunos. Precisamos de mais pessoas que entendam o assunto”, salientou.

A diretora-presidente chamou a atenção para o fato de que, em 2012, com a Decisão de Diretoria (DD) de nº 254, a Cetesb definiu que 29 setores da indústria devem apresentar inventários de gases de efeito estufa (GEE) de suas plantas para a Companhia. Conforme a presidente, trata-se de uma ação ininterrupta. “A Cetesb está formando uma sólida base de dados autodeclaratórios a respeito da emissão dos GEEs, por segmentos, pela indústria do estado. São milhares de informações, sob a guarda da Companhia, destinadas para apoiar decisões de gestão nessa agenda”, pontuou.

Por fim, Patrícia Iglecias frisou que essa é a primeira turma do curso com o Acordo Ambiental São Paulo em vigência. A iniciativa, conforme comentou, é voluntária e busca envolver empresas com o objetivo da redução das emissões de gases de efeito estufa. Segundo ela, da parte do Governo do Estado, o acordo já é considerado um dos programas mais valorizados.

Josilene Ferrer, assessora da Presidência da Cetesb, com apoio de Daniel Huet, e a coordenação-executiva do Setor de Cursos e Transferência de Conhecimento deram início efetivo à primeira aula, com a apresentação do Acordo Ambiental SP.

O próximo tema será desenvolvido por George Magalhães, que coordenou o Programa Brasileiro GHG Protocol e a plataforma Empresas Pelo Clima – ambas iniciativas da Fundação Getúlio Vargas. Ele abordará, entre outros temas, a ciência das mudanças do clima, o inventário de gases de efeito estufa e políticas públicas para inventários.

Os interessados podem saber mais sobre o Inventário GEE SP pelo endereço eletrônico https://cetesb.sp.gov.br/inventario-gee-sp/. As ações do Acordo Ambiental São Paulo podem ser consultadas pelo https://cetesb.sp.gov.br/acordo-ambiental-sao-paulo/.