Escritora brasileira cria startup que promove educação inclusiva

Startup estrutura projetos educativos e publica livros infantis que abordam temas como bullying e diversidade.

Janine Rodrigues, 37, é fundadora da startup Piraporiando e utiliza da escrita para transformar livros infantis em ferramentas para debater o bullying, o racismo e a diversidade.

Autora de seis livros, Janine cresceu no interior do Rio de Janeiro, e teve acesso a uma infância com muitas brincadeiras. No entanto, nunca encontrou histórias como a de uma menina com marcas de catapora no rosto como protagonista. Então, ela escreveu.

Sua primeira obra trouxe muito de uma experiência pessoal de sua infância: o bullying. Ainda criança, Janine teve catapora e ficou com algumas marcas no rosto, o que fez com que sofresse byllying por parte dos colegas da escola.

clique na imagem e saiba mais

No livro ‘No Reino de Pirapora’, lançado em 2013, ela conta essa história utilizando elementos característicos dos contos de fadas. A obra chamou a atenção de educadores, que logo começaram a chamar Janine para atividades nas escolas.

Com o passar do tempo, as ações realizadas em escolas começaram a se tornar mais frequentes e, com os eventos promovidos pelas instituições de ensino, Janine começou a vender mais livros. Isso a motivou a empreender.

Em 2015, ela fundou a editora Piraporiando para estruturar projetos de arte-educação e editar seus próprios livros, tendo uma maior autonomia em sua produção e distribuição.

Seu livro mais recente, ‘Onde está Boris?’, toca em assuntos como o manterrupting – quando um homem interrompe de forma constante e desnecessária uma mulher – na infância, usando a linguagem lúdica dos contos de fadas.

Já na obra ‘Nuang- Caminhos da Liberdade’, Janine fala sobre a cultura afro-brasileira através do olhar de uma criança. Essa produção recebeu a chancela da Fundação Cultural Palmares.

No mesmo ano em que abriu sua editora, Janine também desenvolveu o projeto ‘Trilha Literária’, que usa a brincadeira, a coletividade, a escuta e a interatividade para educar.

A Trilha é composta por um livro de atividades, acesso a uma plataforma online interativa e uma proposta que interage com brincadeiras. Professores podem receber um treinamento para utilizar a metodologia nas escolas e ainda receber acompanhamento da startup.

A Piraporiando foi eleita em 2019 uma das startups que estão transformando a educação no país, de acordo com o levantamento do Liga Insights EdTechs. A editora foi destaque na categoria ‘Educação Inclusiva’.

A categoria premia um conjunto de startups que desenvolvem soluções capazes de auxiliar na promoção da inclusão no ensino.

Além de ser escritora, Janine já causou impacto através de projetos em 88 escolas e centros culturais do Brasil, e já atua em países como Colômbia, Argentina e Chile.

Fonte: Universa