Estudante é esfaqueada por colega em sala de aula de escola estadual de Pirassununga, SP

Caso aconteceu na manhã desta segunda-feira (25) na Escola Estadual Professora Osmarina Sedeh Padilha. Agressor teria surtado e aguarda vaga em hospital psiquiátrico infantil.

Uma estudante de 12 anos foi esfaqueada por um colega de turma, de 14, na manhã desta segunda-feira (25), na Escola Estadual Professora Osmarina Sedeh Padilha, em Pirassununga (SP). Apesar do ocorrido, as aulas não foram suspensas.

O crime aconteceu dentro de uma sala de aula na Vila Brasil. A vítima sofreu pelo menos oito perfurações e foi levada por um professor para o Pronto-Socorro. Ela foi atendida e liberada.

O agressor foi detido e encaminhado pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) para o Pronto-Socorro. Ele continua na unidade aguardando transferência para um hospital psiquiátrico infantil.

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc) lamentou o ocorrido e informou que a direção da escola encaminhou a aluna para atendimento médico, além de prestar toda assistência à família. (Veja abaixo posicionamento completo.)

Leia também:

Desentendimento e vozes

O crime aconteceu na primeira aula do dia e os alunos não tinham histórico de briga. O aluno teria surtado e desferido as facadas na colega. A estudante foi atingida duas vezes no peito, duas vezes no ombro, uma no antebraço, uma no glúteo e uma na mão.

O jovem fugiu da escola após o crime e foi encontrado por um professor e dois policiais militares andando no bairro. Ele foi detido e encaminhado pelo Samu para o Pronto-Socorro onde aguarda, via Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde (Cross), uma transferência para um hospital psiquiátrico infantil.

Questionado pela polícia, o adolescente afirmou que teve um desentendimento com a vítima há uma semana e passou a ouvir vozes que diziam para matá-la. Disse ainda que fez pesquisas na internet para saber como executar o crime.

Leia também:

Secretaria de Educação

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc) lamentou o ocorrido e informou que a direção da escola encaminhou a aluna para atendimento médico, além de prestar toda assistência à família.

A direção da escola registrou um boletim de ocorrência e declarou que a diretoria de ensino e a unidade escolar estão à disposição dos pais e responsáveis para esclarecimentos.

A pasta ainda informou que a equipe do Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar (Conviva SP) dará todo apoio a comunidade escolar e o atendimento com profissionais do Programa Psicólogos na Educação será disponibilizado, mediante autorização dos responsáveis.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP