Família alega que mulher presa após fazer ofensas racistas a rapaz em ônibus sofre de esquizofrenia

Episódio ganhou repercussão após vídeo do ato racista viralizar. Caso foi registrado como injúria racial no 1º DP de Praia Grande, no litoral paulista.

A família da mulher presa após ofender com comentários racistas um passageiro em um ônibus em Praia Grande, no litoral paulista, alegou nesta terça-feira (13) que ela sofre de esquizofrenia. O caso repercutiu após um vídeo que flagra parte da ação ser compartilhado nas redes sociais. A vítima registrou um boletim de ocorrência contra a mulher por injúria racial, após ouvir xingamentos como “macaco fedorento” e “preto da senzala”.

O caso ocorreu no último sábado (10), na Linha 11, que atravessa Praia Grande até o limite com Mongaguá. Um dos passageiros gravou parte da ação da mulher. No vídeo, é possível ouvir quando ela diz “Macaco. Macaco fedorento. Tu não presta, tu é preto da senzala. Crioulo fedido. Tira os óculos e vai catar papelão vaga***** [sic]”.

Porém, conforme contou o autônomo, ela chegou a desferir diversos outros xingamentos contra ele, além dos flagrados nas imagens, gratuitamente, enquanto ele conversava com a esposa no trajeto do transporte público. Testemunhas também reforçaram o ocorrido e revelaram indignação.

A auxiliar administrativa Jaciene Macedo, de 45 anos, irmã da mulher que aparece nas imagens, afirma que a familiar tem esquizofrenia. “Ela tem um prontuário no Caps [Centro de Atenção Psicossocial] de Praia Grande, e faz tratamento há mais de dez anos. Ela mora com os meus pais, que são idosos, e no sábado saiu sem dizer nada, achamos que estava desaparecida. Procuramos por ela no domingo, em hospitais, e como não encontramos, fomos até a delegacia registrar boletim. Foi lá que soubemos o que tinha acontecido. Ficamos surpresos e sofremos com isso”, diz.

De acordo com a auxiliar, a irmã foi solta em audiência de custódia, mas terá que responder pelo crime. “Ela é realmente agressiva, mas toma medicamento. Ela tem vários surtos, e várias vezes chamamos o Samu para socorrê-la. Está sendo muito difícil para nós, como família, tudo isso. Realmente, ela vai responder por injúria racial, mas ela é uma pessoa doente, que não responde por ela. Então, veremos com advogados como prosseguir, e estou correndo com a documentação que comprova o problema mental dela”, afirma.

Jaciane afirma lamentar o ocorrido. “Ficamos muito tristes e pedimos desculpas. O caso dela repercutiu porque ela foi muito agressiva. Com certeza, as pessoas que veem sem saber de nada ficam revoltadas. Eu não tiro a razão, porém, o caso dela vai mais além. Antes de manifestar a doença, ela nunca tinha feito comentários assim. Ela tem uma amiga de infância negra que até se pronunciou no vídeo, quando saiu nas redes sociais”, diz a irmã.

Relembre o caso

A mulher foi presa em flagrante após fazer ofensas racistas contra um autônomo de 29 anos, dentro de um transporte coletivo. Um dos passageiros gravou parte da ação e flagrou os xingamentos.

A vítima e a namorada, após os insultos, a impediram de descer do ônibus e pediram que o motorista parasse, pois acionaram a polícia. Passageiros ficaram indignados com a situação e ajudaram o casal, que estava sem celular.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT