Fazendeiro é preso acusado de mandar matar corretor para não pagar comissão de R$ 8 milhões

PUBLICIDADE

Corretor de imóveis rurais Wellington Freitas vendeu uma fazenda de R$ 300 milhões e proprietário contratou três homens para matá-lo, segundo polícia.

O fazendeiro Renato de Souza, de 55 anos, foi preso acusado de mandar matar o corretor achado carbonizado próximo de sua fazenda para não pagar a comissão de R$ 8 milhões que devia à ele pela venda de uma fazenda avaliada em R$ 300 milhões. O delegado Adelson Candeo apurou que Renato contratou três homens para matar o corretor. Todos estão presos.

Os presos são, segundo a polícia:

  • Renato de Souza (fazendeiro mandante do crime);
  • Rogério Oliveira (matou o corretor);
  • Rogério Teles (ajudou no crime);
  • Caio Rodrigues Lima (ajudou no crime).

A defesa de Renato de Souza disse que ele é inocente. Os advogados de Caio Rodrigues Lima e Rogério Teles negam qualquer envolvimento dos suspeitos no caso. “Ele vende uma fazenda do mandante por um valor muito alto, R$ 300 milhões. Isso acarreta a comissão de um valor alto. Inicialmente, o negócio era de R$ 20 milhões, mas baixou para R$ 8 milhões em comissão”, explica o delegado Adelson Candeo.

Segundo Candeo, Rogério Oliveira admitiu ter matado o corretor de imóveis estrangulado com uma corda dentro do próprio carro da vítima, em 20 de junho deste ano.

O corpo foi queimado e abandonado perto de uma fazenda que o corretor havia comprado há pouco tempo. Rogério Oliveira ofereceu cerca de R$ 6 mil para que seu comparsa levasse o a caminhonete da vítima até a GO-333, onde foi encontrada.

PUBLICIDADE
Corretor Wellington Freitas, de 67 anos (esquerda), foi morto a mando do fazendeiro Renato Souza (direita), em Rio Verde, Goiás — Foto: Montagem/g1

Crime

Segundo a Polícia Civil, a causa da morte foi estrangulamento, porém o corretor chegou a ser queimado. A perícia disse que ele ainda respirava quando colocaram fogo no corpo dele.

Um dos filhos do corretor disse que o pai seguiu a rotina normal, mas desapareceu pela manhã. A família conseguiu monitorar a localização da caminhonete por meio de GPS, porém, o sinal também foi perdido durante o dia.

O delegado Adelson Candeo contou que o corretor não tinha recebido ameaças recentemente, mas fazia transações bancárias de valores altos. Nas semanas anteriores ao crime, ele comprou uma fazenda e um avião.

PUBLICIDADE
CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP