Gabriel Monteiro diz ter sofrido ataque a tiros em festa de aniversário

O vereador carioca Gabriel Monteiro (PSD) disse que sofreu um atentado na noite deste domingo (1º) em Quintino, na Zona Norte do Rio. O carro usado pelo vereador ficou com marcas de bala. Ninguém ficou ferido.

À polícia, Gabriel Monteiro afirmou que fazia uma festa de aniversário para uma menina de família carente no bairro quando bandidos atacaram. “Quando a gente chegou, a princípio estava tudo tranquilo. Após 30 minutos, bandidos fortemente armados nos encurralaram e atiraram na gente de fuzil e de pistola. Gritaram em vários momentos que eu iria morrer”, disse à TV Globo.

Segundo o vereador, pelo menos 10 viaturas da PM foram ao local. A Polícia Civil afirmou que testemunhas já foram ouvidas e que fará uma perícia no local do incidente. O caso foi registrado na 29ª DP (Madureira) como tentativa de homicídio.

Vereador Gabriel Monteiro (PSD-RJ), afirmou que sofreu um atentado na noite de domingo (1º) em Quintino — Foto: Reprodução/ Rede social

Alvo no Conselho de Ética

O Conselho de Ética da Câmara de Vereadores analisa seis situações em que Monteiro pode ter quebrado o decoro do cargo, mas até agora nenhum processo formal foi aberto.

Um dos episódios sob análise foi uma briga com um caminhoneiro na porta de um bingo clandestino em Copacabana. O estabelecimento era alvo de uma vistoria realizada por Gabriel Monteiro e seus seguranças — as ações são registradas nas redes sociais do vereador.

Segundo Monteiro, o motorista o ameaçou. Na delegacia, o homem afirmou que foi abordado pelo parlamentar e perguntado sobre quem era o chefe. E que o grupo de Gabriel Monteiro o agrediu com socos e chutes. Já o motorista alegou que a abordagem foi truculenta e que o vereador o ameaçou. “Fala tudo, senão eu te coloco na mala do carro”, teria dito o vereador, segundo o caminhoneiro.

A polícia também investiga se um dos integrantes da equipe que acompanha Gabriel Monteiro nas fiscalizações é Daniel Aleixo Guimarães, que aparece armado em algumas fotos e, em outras, com Monteiro. O suposto segurança do parlamentar é acusado de matar, em 2015, um ex-prefeito de Macuco, na Região Serrana. Ele chegou a ser preso, mas responde em liberdade.

Em abril, o RJ2 mostrou que, durante a pandemia, o vereador fazia fiscalizações em hospitais — sem usar equipamentos de proteção e provocando aglomerações em áreas destinadas a pacientes com Covid. Também foi a abrigos à noite, quando os moradores já estavam dormindo.

Outro ponto polêmico é o fato de Gabriel Monteiro usar a prerrogativa do cargo em benefício próprio — para ganhar dinheiro. Todas as supostas fiscalizações são filmadas e viram vídeos monetizados em redes sociais. “No caso do vereador Gabriel Monteiro, já chamamos pra conversar, ele foi alertado sobre procedimentos incompatíveis, e o que vale para um vale para todos. Não perseguimos ninguém, mas temos que agir com firmeza com todos casos”, afirmou o vereador Chico Alencar (PSOL), membro do Conselho de Ética.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT