Gasolina, arroz e linguiça mais caros puxam custo de vida da população de baixa renda

Custo de vida da população de baixa renda cresce 0,2 por cento, em setembro

A pesquisa foi feita pela Fundação Getúlio Vargas, que levou em conta os produtos e serviços essenciais e mais consumidos por quem ganha até duas vezes e meia o valor do salário mínimo.

Destaque negativo para a gasolina, que ficou quatro por cento mais cara.

A lista com as principais altas tem, ainda, a linguiça, o acém, os biscoitos e o arroz.

clique na imagem e saiba mais

Já entre os itens que ficaram mais baratos, chamaram a atenção a batata e a cebola, cuja queda chegou a 18 por cento.

Por fim, a análise por grupos de despesas mostrou que, em todas elas, os preços aumentaram.

Ou seja: educação, saúde, alimentação, habitação, transporte, vestuário e comunicação.

Do começo do ano pra cá, o custo de vida da população de baixa renda cresceu pouco mais de três e meio por cento.


Aviso: Os comentários só podem ser feitos via Facebook e são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, sendo passível de retirada, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Tem uma sugestão de reportagem? Nos envie através do WhatsApp (19) 99861-7717.