Governo de SP autoriza volta de visitas presenciais em presídios a partir deste sábado

Entradas de familiares estavam suspensas desde março por conta da pandemia do coronavírus. Retomada será gradual e controlada na maioria dos presídios, segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).

O Governo de São Paulo autorizou nesta quarta-feira (4) a retomada de visitas em prisões do estado a partir do próximo sábado (7). A entrada de pessoas externas nas penitenciárias comuns estava suspensa desde março por conta da pandemia do coronavírus.

Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), a retomada será gradual e controlada na maioria dos presídios, já que ainda existem ações judiciais que impedem a volta em algumas regiões.

Neste fim de semana, haverá visitas somente nos pavilhões pares e com limitação a uma pessoa por preso e somente pelo período de duas horas. Poderão entrar visitantes de 18 a 59 anos, sendo proibido crianças, idosos, gestantes e pessoas com sintomas gripais.

clique na imagem e saiba mais

Todos os visitantes deverão usar máscaras e terão medidas a temperatura e saturação de oxigênio.

Durante o período de proibição das visitas, a SAP implementou o projeto chamado “Conexão Familiar”, que permite “visitas virtuais” por meio de tecnologia de áudio e vídeo, com agendamento prévio. Alguns familiares de detentos, no entanto, reclamavam que as visitas virtuais eram muito rápidas e possuíam uma série de dificuldades.

Presídio militar manteve visitas

Embora a Justiça tenha determinado, no início da pandemia, a suspensão das visitas em todas as 176 penitenciárias do estado, reportagem do G1 mostrou que mais de 240 policiais militares presos no Presídio Militar Romão Gomes, na Zona Norte da capital paulista, puderam receber visitas presenciais de parentes.

À época, a Defensoria Pública de São Paulo e a ONG Associação de Amigos e Familiares de Presos apontaram “diferenciação entre cidadão”.

Questionado em setembro sobre por que os militares mantiveram as visitas e os presos comuns não, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que os encontros virtuais poderiam “ser aperfeiçoados.”

Segundo o governador, o estado recebeu “também muitos elogios de familiares que tiveram o acesso até com mais frequência do que teriam se o fizessem presencialmente” aos seus familiares.