Por Gabrielle Chagas, G1 São Carlos e Araraquara

Uma guarda civil municipal de Ibaté (SP) encontrou R$ 5.150 na rua e devolveu ao dono, em São Carlos, na tarde de sexta-feira (8). O dinheiro estava dentro do carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), entre outras contas, amarrado por um elástico.

Danielle Milanez, de 33 anos, fazia serviços de pagamentos na lotérica e nos bancos quando encontrou as notas de R$ 50 e R$ 100, na Vila Prado.

A guarda tem dois empregos. Além de atuar no município vizinho no período noturno, trabalha durante o dia em um escritório despachante para complementar a renda, em São Carlos. Segundo Danielle, ela passa pelo local de três a quatro vezes por dia.

“Eu saí para pagar, levar umas coisas no banco, lotérica, cartório, que é o que faço. Eu estava perto da Igreja Santo Antônio na Vila Prado. Na hora que eu diminui para estacionar minha moto, eu vi um pacote estranho. Aí eu parei um pouco mais para frente, quando eu voltei foi que eu peguei na mão e vi de perto do que se tratava”, contou.

Muito dinheiro

Danielle contou que, ao ver a quantidade de dinheiro, ficou paralisada. “Na hora pensei que dó de quem perdeu e, ao mesmo tempo, que sorte que foi eu que achei. Uma quantia daquela, meu Deus, a gente sabe o quanto a gente rala para conseguir pagar as contas”, disse.

A sua preocupação era o desespero do dono e o quanto ele estaria precisando do dinheiro de volta. Para achá-lo, a guarda identificou o endereço no carnê do IPTU e foi de moto até o local.

Guarda encontrou R$ 5.150 e devolveu para idoso em São Carlos — Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

Breve encontro

Com pressa para voltar ao trabalho, Danielle confirmou com o senhor que atendeu a porta, seu nome e sobrenome e anunciou que queria devolver as coisas para o dono.

“Quando eu cheguei ele ficou muito contente. Achei até que ele ia passar mal. Ele agradeceu muito, demais, chamou a senhora dele para contar.”

Devido à correria do dia a dia, a guarda não chegou a tirar o capacete, nem pôde ficar para conversar. O encontro foi rápido, mas deixou uma marca na história dos dois.

“Eu tenho muita vergonha também, então fui bem breve. Entreguei, vi a felicidade dele e aí fui embora com a consciência tranquila, muito limpa, pisando alto”, contou;

‘Nem tudo está perdido’

O aposentado Celso Mai, de 65 anos, já havia dado o dinheiro como perdido, quando atendeu Danielle em sua casa. A sensação, no momento, foi de alívio e gratidão.

“Foi um prazer e uma felicidade saber que existem seres humanos que ainda podemos confiar, que nem tudo está perdido. Eu já tinha dado por perdido. Fiquei muito emocionado quando vi uma moça tão nova e solidária, com caráter, princípios. Era o que eu esperava dos meus filhos”, disse.

Segundo Mai, o dinheiro foi uma economia que vinha juntando desde o ano passado para conseguir pagar o IPTU e outras contas.

Segunda vez

Segundo Danielle, não é a primeira vez que essa situação acontece com ela. Há alguns anos, a guarda encontrou uma quantidade de dinheiro junto com contas para pagar e também levou até o proprietário.

“Se eu achar de novo vou continuar fazendo. Não é nosso, não tem que ficar com a gente. Faz bem fazer o bem”, disse.