Homem dá tapa no rosto de vendedora em discussão por chip de celular no litoral de SP

Homem teria comprado chip, mas não conseguiu validar. Durante o atendimento na loja, agrediu a vendedora com um tapa no rosto.

Uma vendedora de 20 anos foi agredida por um cliente em Caraguatatuba. Segundo a vítima, ela atendia o homem que se irritou com um problema por causa de um chip de celular e deu um tapa em seu rosto. A agressão foi flagrada por câmeras de segurança da loja. O homem foi detido pela polícia, mas liberado após o registro da ocorrência.

O caso aconteceu na tarde de sábado (3) em uma loja que fica no calçadão em Caraguatatuba. Amanda Alencar contou que o homem havia comprado um chip de celular pela manhã na loja e teria tido problemas com o registro do telefone em seu nome e ido até a loja pedir ajuda.

clique na imagem e saiba mais

Ela conta que tentou fazer o cadastro para ele, mas sem sucesso, ofereceu um novo chip a ele. O homem teria se irritado porque, na troca, ela teria que ficar com o chip que ele havia comprado antes.

“Ele não queria fazer a troca, mas como estava com problema expliquei que precisava ficar com o chip para poder ver com a operadora. Como ele não cedia, perguntei se ele não queria comprar outro chip, assim poderia levar os dois. Foi quando ele me deu um tapa no rosto”, conta.

A imagem mostra o momento em que o homem começa a discutir com a vendedora, gesticula com as mãos e, de repente, bate em seu rosto. As pessoas que estão na loja se assustam com a atitude do homem e se afastam.

Segundo Amanda, após a agressão, ele tentou sair do local, mas os clientes cercaram a porta e chamaram a polícia. O homem chegou a ser encaminhado de viatura até a delegacia, onde o caso foi registrado como agressão. Apesar disso, após o registro da ocorrência ele foi liberado.

A vendedora postou a imagem no Facebook e o vídeo tem mais de 1,3 mil compartilhamentos. “Um desconhecido se sentiu no direito de me agredir por uma coisa tão pequena. Depois de me bater, homens que estavam na loja foram até ele e ele não reagiu da mesma maneira. Não teve coragem. Ele se sentiu no direito de fazer isso porque era uma mulher. Eu nunca imaginei ser desrespeitada dessa maneira”, conta.

Nossa reportagem tentou localizar o agressor, mas não conseguiu contato com ele até a publicação da reportagem. (Com informações do G1 Vale do Paraíba e Região)