Homem mata mulher a facadas por não aceitar fim do namoro e acaba preso pela Polícia Civil

Investigação esclareceu motivação do crime e homem de 51 anos foi preso em Arapari (PR). Vítima foi encontrada morta com sinais de facadas no dia 10 de março do ano passado, em Sorocaba (SP).

A Polícia Civil esclareceu a morte de Jacileide Nogueira Costa Nunes, de 52 anos, que foi encontrada já sem vida e com sinais de facadas pelo corpo na Estrada São Roquinho, em Sorocaba (SP), em março do ano passado. O namorado da vítima, de 51 anos, foi preso na terça-feira (10), em Arapari (PR).

A investigação foi conduzida pela equipe de investigação da Delegacia de Homicídios da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) e pela delegada Luciane Bachir.

Os policiais constataram que a vítima saiu de casa com o namorado no dia 10 de março do ano passado. Contudo, as investigações demonstraram diversos indícios de que o homem não aceitou o fim do relacionamento e, por conta disso, assassinou brutalmente a mulher com várias facadas.

Foi expedido um mandado de prisão preventiva contra o suspeito, que foi cumprido pela delegacia de Arapari. Além da prisão, também foi apreendida a moto utilizada pelo homem no dia do crime.

Investigação

A cozinheira Jacileide Nogueira Costa Nunes, de 52 anos saiu da casa acompanhada de um homem que havia conhecido pela internet e que mantinha relacionado por dois anos, segundo informou um parente.

O corpo foi achado após moradores acionarem uma equipe da PM e informarem que havia uma mulher ferida às margens da estrada. Policiais foram até o local e encontraram a mulher com três ferimentos causados por faca. A arma e um capacete feminino foram apreendidos.

Ainda de acordo com a polícia, a família já havia registrado o desaparecimento da cozinheira na delegacia central de Votorantim. Segundo o parente, que preferiu ter a identidade preservada, a vítima apenas afirmou que ia sair com o namorado e pegou o capacete da moto.

“Duas semanas antes do crime ela começou a dizer que estava tentando se separar. No dia em que ela foi morta, ele (o namorado) apareceu lá na casa dela de moto e ela estava lavando roupas e disse que não poderia sair. Ele insistiu e disse que queria conversar”.

Pessoas próximas à cozinheira ficaram tão preocupadas, que anotaram a placa da moto na qual Jacileide saiu como garupeira, diz o familiar. “Ela saiu com o mesmo capacete rosa que foi achado em um matagal”, detalha uma testemunha.

O capacete foi achado por policiais a cerca de 20 metros do corpo, junto com um a faca suja de sangue, a provável arma do crime. As informações sobre o envolvimento amoroso da cozinheira foram passadas à polícia. Testemunhas indicaram que a cozinheira foi levada a Brigadeiro Tobias, onde o corpo estava, com o pretexto de que pudesse ver um terreno que ela havia comprado naquela região.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT