Horta de penitenciária emprega reeducandos em SP

clique na imagem e saiba mais

Projeto, criado em maio do ano passado, tem apoio de servidores e alimentos são usados na cozinha da unidade.

Uma horta de 400 metros quadrados da Penitenciária II de Potim (SP), criada em maio do ano passado, emprega 11 reeducandos do regime semiaberto. Eles foram capacitados por meio de um curso sobre horticultura do Centro Paula Souza.

O projeto foi concebido e apoiado por diferentes setores, como a Coordenadoria de Reintegração Social e Cidadania que disponibilizou os insumos e os materiais para a obra; e o Grupo Regional de Ações de Trabalho e Educação (Grate) da Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região do Vale do Paraíba e Litoral (Corevali), que capacitou reeducandos e servidores para a lida do cultivo de hortaliças.

Para o diretor-geral da Penitenciária II de Potim, Gustavo Henrique Costa, o projeto possibilita aos reeducandos mais uma alternativa para o trabalho e ocupação. “Além de contribuir para fins de remição de pena, a horta fomenta a capacitação profissional dos reeducandos para o trabalho com a produção agrícola, incrementa medidas voltadas à reintegração social, através da conjunção de ações de trabalho e educação, impactando no processo de recuperação e na reconstrução de sua identidade como indivíduo e cidadão”, explicou.

As três estufas já produzem alface, couve, salsinha, salsa, cebolinha, abóbora, pimentão, repolho, rúcula, abobrinha e espinafre. Da primeira safra, no último mês de dezembro, foram colhidos 250 pés de alface. A quantidade é o suficiente para suprir a necessidade de um dia de alimentação para presos e servidores.

Todos os alimentos da horta são destinados ao abastecimento da cozinha central da unidade, no intuito de complementar a alimentação servida aos reeducandos dos regimes fechado e semiaberto, bem como a servida aos funcionários.