Inflação em fevereiro é a maior em sete anos e vai a 10,5% em 12 meses

Puxado por educação e alimentos, IPCA vai a 1,01% e afasta a taxa da meta perseguida pelo Banco Central.

inflação voltou a acelerar em fevereiro ao registrar alta de 1,01%, contra avanço de 0,54% em janeiro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o maior registro do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para o mês em sete anos, quando foi a 1,22%.

O resultado fez o acumulado em 12 meses subir para 10,54%, acima do patamar de 10,38% observado no período encerrado em janeiro. É a maior taxa de 12 meses acumulados em fevereiro em 19 anos, quando registrou 15,85%. No ano, o IPCA soma alta de 1,56%. Em fevereiro de 2021, a variação havia sido de 0,86%.

Os dados ainda não trazem os efeitos da guerra na Ucrânia na variação de preços. A inflação deve ser pressionada para cima em todo o mundo pela disparada das commodities, principalmente as energéticas e agrícolas.

O resultado afasta a inflação da meta de 3,5% perseguida pelo Banco Central (BC), com variação de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, ou seja, entre 2% e 5%. Analistas do mercado não enxergam a possibilidade de a autoridade monetária deixar o IPCA abaixo do limite máximo.

Previsão do Boletim Focus, que reúne a estimativa de mais de uma centena de instituições, aponta para a taxa a 5,65%. Caso isso ocorra, será o segundo ano consecutivo que a inflação estoura o teto da meta imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Em 2021, a variação de preços foi a 10,06%, ante limite máximo de 5,25%.

Os principais impactos vieram das atividades de educação (5,61%) e de alimentação e bebidas (1,28%). No primeiro grupo, a alta foi puxada pelos reajustes típicos do ano letivo, enquanto os alimentos foram pressionados por excessos de chuvas e estiagens. Já nos últimos 12 meses, o que mais pesou na alta da inflação, de modo geral, foram os combustíveis, que acumulam avanço de 33,33%. Em fevereiro, no entanto, o item teve queda de 0,92%.

No esforço de trazer a inflação para a meta, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros de 9,25% para 10,75% ao ano em fevereiro. Foi o terceiro acréscimo seguido de 1,5 ponto percentual na Selic. O Banco Central deixou contratada nova alta no encontro da próxima semana, apesar de admitir desaceleração no aperto.

O mercado financeiro estima que a Selic fique a 12,25% ao ano, mas a recente pressão com o conflito no Leste Europeu faz com que parte dos analistas enxerguem os juros encostando em 14% ao ano. A escalada dos juros prejudica as atividades econômicas pela taxa ser usada como base em financiamentos e empréstimos.

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP