Justiça condena casal preso por matar e esquartejar advogado a mais de 57 anos de prisão

Laís Lorena Crepaldi, de 20 anos, e o namorado dela, Jonathan Andrade Nascimento, de 21 anos, foram presos e confessaram o crime. 

A Justiça condenou o casal acusado de matar, roubar e esquartejar o advogado Ronaldo Capelari, de 53 anos, em Araçatuba (SP). Na somatória, a pena aplicada para os dois réus é de 57 anos e seis meses.

O corpo da vítima foi encontrado dentro de três sacos no banheiro de uma edícula, no bairro Água Branca, em 14 de janeiro de 2020. Laís Lorena Crepaldi, de 20 anos, e o namorado dela, Jonathan Andrade Nascimento, de 21 anos, foram presos e confessaram o crime à Polícia Civil.

De acordo com o Tribunal de Justiça (TJ), Jhonathan foi condenado a 29 anos e 8 meses de prisão, enquanto Laís a 23 anos e 8 meses pelos crimes de latrocínio e ocultação de cadáver.

clique na imagem e saiba mais

Laís também foi condenada a quatro anos e dois meses de reclusão pelo crime de denunciação caluniosa, pois mentiu ao afirmar que três homens inocentes tinham cometido o crime.

A sentença foi proferida no último sábado (14) pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Araçatuba, Roberto Soares Leito. As penas de ambos os acusados devem ser cumpridas em regime fechado. Não há a possibilidade de o casal recorrer em liberdade.

Ronaldo César Capelari desapareceu depois de sair para ir à academia em Araçatuba — Foto: Reprodução/TV TEM

Investigação

O caso começou a ser investigado depois que a família de Ronaldo procurou a delegacia para registrar um boletim de ocorrência de desaparecimento. Duas horas depois de o registro policial ser feito, a caminhonete da vítima foi encontrada com marcas de sangue, em uma estrada de terra, em Birigui (SP).

Em seguida, uma denúncia anônima indicou o imóvel onde o corpo do advogado foi encontrado, no bairro Água Branca, na noite do dia 14 de janeiro. Não havia ninguém dentro da casa, mas Laís, sabendo que a polícia estava à procura da locatária do imóvel, compareceu na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) para falar sobre o caso, na manhã do dia seguinte.

Segundo a Polícia Civil, ela contou durante depoimento que tinha deixado o imóvel aberto e não sabia o que havia acontecido. A polícia chegou a prender três homens apontados por Laís. Contudo, ela voltou atrás e afirmou que mentiu durante depoimento para defender o namorado. O trio teve a prisão revogada e foi liberado.

A jovem também contou à polícia que tinha atraído o advogado até a edícula para roubar a caminhonete dele com a ajuda de Jonathan, que também foi preso e confessou o crime.

De acordo com a Polícia Civil, Jonathan bateu na cabeça de Ronaldo assim que o advogado entrou no imóvel. Por causa dos ferimentos, o casal decidiu matar a vítima e depois esquartejou o corpo, porque o rapaz não conseguiu colocá-lo na caminhonete para desová-lo.

Com o intuito de apurar melhor os fatos e obter informações para indiciar o casal, agentes do Instituto de Criminalística (IC) e da Polícia Civil realizaram uma nova perícia na casa onde o advogado foi morto.

Os trabalhos contaram com um material chamado Luminol, elemento químico capaz de identificar vestígios de sangue. Os resultados também foram incluídos no inquérito.

Caminhonete do advogado foi encontrada em estrada de terra em Araçatuba — Foto: Arquivo Pessoal