Ladrões fazem reféns e roubam caminhão com 43 cabeças de gado no interior de SP

Caminhoneiro e dono dos animais foram rendidos por homens armados na Rodovia Washington Luís, na madrugada desta sexta-feira (28). Vítimas foram deixadas no meio de canavial.

Ladrões armados roubaram um caminhão que transportava 43 cabeças de gado na madrugada desta sexta-feira (28) em Taquaritinga (SP). O dono dos animais e o motorista foram mantidos reféns, e abandonados no meio de um canavial próximo a Itápolis (SP). Segundo o pecuarista Arlindo Alves da Silva Filho, o prejuízo chega a R$ 80 mil.

As vítimas participaram de um leilão em Boa Esperança do Sul (SP), onde arremataram o gado, e seguiam pela Rodovia Washington Luís em direção a Santa Adélia (SP), quando foram interceptadas pela quadrilha.

clique na imagem e saiba mais

De acordo com o motorista Sérgio Donizete Aranha, os ladrões jogaram um carro contra o caminhão, forçando-o a parar o veículo no acostamento. “Encostou um carro pra bater, e eu fui para o acostamento. Já tinham três [homens] em cima da carroceria, com espingarda e revólver. Falavam ‘desce, desce’. Eu desci do caminhão e já me cataram pelo pescoço, me colocaram dentro do carro e dois assumiram o caminhão”, diz.

Os dois foram forçados a entrar em um dos veículos utilizados pelos ladrões e percorreram várias cidades até serem deixados em Itápolis. “Falavam que queriam matar, que era para ficar quieto que não ia acontecer nada”, afirma Aranha.

Após serem libertadas, as vítimas conseguiram pedir ajuda ao motorista de um caminhão canavieiro, que ligou para o chefe na usina, e a Polícia Militar foi acionada. Arlindo acredita que os dois foram monitorados pelos assaltantes desde o leilão, e que o crime foi encomendado. “É um pessoal especializado, já sabia tudo certinho e poderia estar acompanhando o leilão, sondando lá e depois veio acompanhando na estrada.”

Um boletim de ocorrência foi registrado pela Polícia Civil de Taquaritinga, que vai investigar o assalto. O caminhão e o gado não foram recuperados. O caminhoneiro e o dono dos animais trabalham há mais de 30 anos transportando carga viva, e nunca tinha sido roubados.

“Há muitos anos estou nessa vida de estrada à noite. A gente sempre ouve falar de caminhão com carga fechada [alvo de crime], mas nunca comigo. Agora, a gente vai participar de leilão, comprar o gado, mas esperar o outro dia cedo. A gente deve evitar [rodovia à noite]”, afirma o pecuarista.