Mais de 50 mil mulheres foram assassinadas em uma década, no Brasil

A taxa de homicídios de mulheres dentro das residências cresceu 6,1%, enquanto a taxa de mulheres mortas fora das residências caiu 28,1%.

50.056 mulheres foram assassinadas no Brasil entre 2009 e 2019. No período, o assassinato de mulheres negras cresceu 2%, enquanto o de mulheres não negras caiu 26,9%.

Os dados foram divulgados pelo Atlas da Violência, levantamento produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN).

O estudo também aponta que a taxa de homicídios de mulheres dentro das residências cresceu 6,1%, enquanto a taxa de mulheres mortas fora das residências caiu 28,1%.

O levantamento registrou, ainda, um aumento de 35% das mortes violentas por causa indeterminada entre 2018 e 2019, considerando vítimas masculinas e femininas. 

As mortes violentas por causa indeterminada são aquelas em que não foi possível estabelecer a causa básica do óbito, ou a motivação que o gerou. Em média, 73% dos casos de mortes por causa indeterminada referem-se a homicídios.

Segundo o estudo, as violências registradas pelo Sistema de Informações de Agravos de Notificação entre 2018 e 2019, na variável orientação sexual, contra homossexuais e bissexuais, apresentam crescimento de 9,8%, passando de 4.855 registros em 2018 para 5.330 no ano seguinte. 

A violência contra pessoas trans e travestis também cresceu, passando de 3.758 notificações em 2018 para 3.967 episódios em 2019, com um aumento de 5,6% dos casos de violência física.

Fonte: Agência Brasil

CLIQUE NA IMAGEM E FALE DIRETO PELO WHATSAPP
ÁGIL DPVAT